10 coisas que eu aprendi sobre o amor em 10 anos, sem ter um único relacionamento:

10min. de leitura

Eu nunca tive um namorado de verdade. Na a última década, eu ficava com meu romance da escola, era desejada por um rapaz da minha classe de ciência, paquerada pelo filho, 10 anos mais velho, da melhor amiga de infância de minha mãe; corajosamente beijei o primeiro homem que eu amei em uma calçada de Nova York, e saí com um cara legal que apenas gostou da minha companhia por poucas semanas e que, no fim, só queria amizade.



Nem preciso dizer que nenhum desses cavalheiros tornou-se um namorado.

Eu nunca experimentei o luxo da conversa “o que nós somos um do outro” ou o sentimento da exclusividade que vem com um relacionamento confortável estabelecido.

Uma parte de mim sabe que isso é provavelmente melhor, até que eu comece a me estabelecer, mas outra parte de mim se sente super solitária, amorosamente frustrada, e ansiosa para saber o que é ser alguém de alguém – adormecer e acordar ao lado da pessoa que eu amo, planejar noites épicas de encontros e publicar minhas próprias fotos de casal chato no Facebook.

Apesar de possuir tão pouca experiência com relacionamentos, aprendi muito.

Eu aprendi muito sobre o que eu quero e não quero, o que eu vou e não vou tolerar, e como eu quero tratar e ser tratada por futuros interesses amorosos.


Isso ajuda a lembrar a mim mesma que esse fluxo aparentemente interminável de quase relacionamentos está me preparando para um de verdade no futuro. (Certo?!)

1. Você merece o melhor.

Caso contrário, você provavelmente está desperdiçando seu tempo. Ao longo dos últimos anos, eu adquiri o que eu gosto de chamar de uma tolerância extremamente pequena para  relacionamentos ruins. Eu acho que todos os relacionamentos devem ter algum crescimento e impulso de progresso. Se sinto que alguém não está tentando ou não é tão dedicado como eu sou, fico muito desligada e quero fugir imediatamente.

Se alguém gosta de você, vai fazer você se sentir incrível. Se alguém quer estar com você,  buscará estar contigo. Se alguém se importa com você, deve mostrar tanto quanto diz. É realmente simples. Se eu ficar me perguntando como alguém se sente, eu assumo que não sente nada e, prontamente, inicio o processo de seguir em frente. Essa abordagem faz-me solteira, mas, pensando positivamente, ela me mantém fora dos relacionamentos errados.



2. Seus sentimentos e expectativas são válidos, não importa a natureza da relação.

Sentimentos não vêm juntos em relacionamentos da mesma maneira que batatas com filés. (Eu trabalho em um restaurante, ok?) Um quase relacionamento pode trazer muitos sentimentos assim como um relacionamento real. Há amor, paixão, ciúme, raiva, dor e tudo o mais. Um relacionamento é um relacionamento, não importa que tipo. Quando se vive um quase relacionamento, dizer a si mesmo que você não deve ser ferido ou irritado é como dizer que patos não devem fazer quack. Você se sente dessa forma, e é isso.


3. Se alguém quer estar com você tanto assim, a pessoa fará a sua parte em fazer isso acontecer.

Eu nunca li o livro “Ele não está tão afim de você”, mas eu ouvi muito sobre isso. É tão duro de aceitar essas lições, mas são todas verdadeiras, na minha experiência. Relacionamentos são complicados, mas eles certamente não são tão complicados quanto a maioria das pessoas os fazem ser. Se alguém realmente quer estar com você, esse alguém fará um esforço.


4. Honestidade e comunicação são as chaves para resolver quase todas as preocupações.

Conflitos e mal-entendidos têm uma tendência a correr desenfreados e fora de controle na maioria dos relacionamentos, e eu estou lentamente começando a perceber quão fútil e desnecessário isso é. Quando duas pessoas são claras e honestas, elas, automaticamente, resgatam-se de um mundo de dor e desperdício de tempo. Seja honesto sobre como você se sente, o que quer, o que você não quer e como você espera ser tratado. Se você está tendo algum tipo de problema com outra pessoa, fale com ela sobre isso de uma forma justa e concisa. É como subir e tomar um ar,  depois de estar submerso por um longo  tempo.


5. Os limites equivalem a respeito próprio.

Os limites são essenciais, especialmente nesses quase relacionamentos. Você não deve uma única coisa a uma pessoa que não esteja comprometida com  você ainda (ou não irá se comprometer, afinal). Amor e respeito são dons valiosos. Uma pessoa que não pode retribuir, não os merece.


6. Os joguinhos são antigos e realmente estúpidos.

Pare de participar de joguinhos. Se você realmente quer responder à mensagem, chamar alguém para sair, dizer como você se sente, fazer um grande gesto, ou assumir um grande risco, apenas faça. A vida é curta e o amor é fugaz. Não existem regras lá fora, apenas siga seu coração.


7. Você ainda pode estar apaixonado ou ter seu coração partido por alguém que você nunca namorou.

Eu nunca namorei oficialmente meu primeiro amor. Hesito em até chamá-lo de meu primeiro amor, o que é ridículo, porque é exatamente o que ele era, independentemente das nossas circunstâncias. Quando não ficamos juntos, eu realmente entendi o conceito de um coração partido, pela primeira vez em minha vida. Eu me lembro de dizer a mim mesma que eu estava sendo estúpida e dramática porque nunca estivemos “oficialmente” juntos, mas o que isso importa? Com ou sem um rótulo, os corações têm a capacidade de amar e de se quebrar. Nós não vivemos em uma caixa.


8. “Eu estava ocupado” é uma besteira e desculpa insultante que todos nós devemos parar de cair.

Se alguém se importa com você, ele nunca estará muito ocupado para demonstrar isso. Vivemos em um mundo acelerado, mas há uma abundância de horas em um dia para encontrar  tempo para as coisas que importam. Se você quiser falar ou sair com alguém, você dá um jeito, não interessa o quão ocupado você é. A desculpa de estar ocupado é para covardes. Embora, provavelmente digam a verdade sobre estarem ocupados, as pessoas não estão dizendo a verdade sobre por que não estão respeitando você e seu tempo. Eu, recentemente, esperei dois ou três dias para um cara responder a uma simples mensagem, e quando eu perguntei brincando se ele tinha se esquecido de mim, ele me disse que estava “apenas ocupado.” Eu, gentilmente, falei que era mentira e pedi uma explicação melhor, e ele admitiu que não queria nada comigo. Não tenho mais nada a dizer.


9. Se você quiser saber a resposta para algo, basta perguntar.

Quer saber como alguém se sente sobre você? Pergunte. Curioso porque alguém não retorna suas ligações ou mensagens? Pergunte. É verdade que nem sempre podemos obter as respostas para nossas perguntas, mas, se você pelo menos tem a coragem para perguntar, eu te garanto que isso conta.


11. O amor por si só não é suficiente para sustentar um relacionamento.

Essa foi uma dura lição que aprendi, especialmente nos últimos meses. A fim de realmente sustentar um relacionamento, muitos fatores diferentes devem entrar em jogo. Você pode amar uma pessoa o tanto que você quiser, mas se existem um milhão de obstáculos  mantendo-os separados, você, eventualmente, vai sentir-se muito confuso e decepcionado pela revelação de que amor sozinho, infelizmente, não conquista tudo. Você não pode construir algo resistente e forte com peças faltando.

Aqui está a esperança de que todos nos aproximemos um pouco mais das relações que merecemos e pouco mais longe da palavra “quase”.


Direitos autorais da imagem de capa: halfpoint / 123RF Imagens

Traduzido pela equipe de O Segredo – Fonte: Thought Catalog

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.