Bem-Estar e SaúdeEnergias

3 dicas para mudar sua energia:

1) Não prometa nada, seja realista!



Tem gente que adora “posar” de super-herói, de faz-tudo, de amigo do bem maior e promete até o que não pode fazer e pior, tenta as vezes fazer tudo o que promete e o que acontece?
O que não consegue fazer cria inimizades ou raiva para quem recebeu a promessa e quem consegue ser atendido percebe que a pessoa não está fazendo com “dedicação”, que está se “esforçando. Por isso, não se enfie em roubadas. Seja realista, diga para a pessoa, ou pessoas a sua real condição para aquele convite ou tarefa. Se for o caso, negocie prazos e metas. Ser realista poupa de muitas dores de cabeça.

2) Não valorize a coisa…

Muita gente recebe uma tarefa, um trabalho na empresa ou na escola e começa a acreditar que aquilo é a “maior bomba da história” que está realmente com um super trabalho pela frente. 
E olha que tem gente que sofre demais por antecipação. Mais uma vez, chame a “Dona Real” e pense em quantos problemas que você achou que não tinha saída no passado e você fez, saiu, e está aqui para contar história. Esse é apenas mais um trabalho, mais um desfio…só isso. Por isso, relaxe e mãos a obra.

3) Ria. Rir é realmente um excelente remédio.

Não quer acreditar nessa máxima? Duvida que rir é remédio?
Num dia de muita tensão, meça a pressão arterial. Depois, pense em algo bem escroto, veja uma vídeo-cassetada tosca no Youtube e deixe o riso rolar. Depois de rir a vontade, meça a pressão de novo…veja a diferença…e olha que não é pouca não.

 Esse é só um efeito visível da Alegria, da boa risada, mas por dentro do nosso organismo ela faz muito mais. São endorfinas e outros hormônios maravilhosos que liberados na corrente sanguínea fazem milagres.Entre os médicos e cientistas que tem estudado os benefícios do riso na saúde, está o Dr. Patch Adams, retratado num filme por Robin Williams, baseado  na sua história de vida, fundador da comunidade Gesundheit Institute.
Então…Vamos rir. 🙂

Paulo Roberto Gaefke


Via: Passarinhos no Telhado

Quando chega ao fim – uma crônica sobre o término saudável.

Artigo Anterior

Então não era amor

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.