7min. de leitura

3 soluções para você, que cuida do seu idoso querido, manter a energia e não se descuidar…

3 soluções para você, que cuida do seu idoso querido, manter a energia e não se descuidar…

Resolvi fazer este artigo para você que cuida do seu idoso com carinho. Tenho uma grande razão para querer compartilhar experiências com você: eu não quero que você adoeça emocionalmente no meio desses cuidados todos com o outro e, já te falo porquê.



Sei bem a dor que é lidar com a limitação, quando cuidamos das pessoas queridas que fizeram parte da nossa história de uma forma ativa.

Inverter os papéis, ser mãe ou pai do seu pai ou avô, da sua mãe ou avó, é necessário, mas não é fácil.

Sei bem o desgaste emocional que a gente tem, ao lidar diariamente com a impotência frente ao avançar da idade, principalmente com doenças mais graves, doenças degenerativas que levam aos poucos a memória, os movimentos, a vida de quem amamos.

Hoje cuido da minha mãe com 83 anos e quadro de Alzheimer, mas já cuidei do meu pai, meu avô e minha avó, já falecidos, todos com diferentes quadros de câncer.


Por já ter passado por isso e estar passando, além de ser profissional da saúde emocional, é que gostaria de compartilhar alertas e soluções, para você que cuida do seu idoso querido da melhor forma.

Alertas, para que você não deixe o palco da sua história por se doar demais nessa relação, ou por ter culpa de não fazer mais, ou por ter raiva da impotência que é lidar com essa situação.

Primeiro quero alertá-la (ou alertá-lo) que, pelo cérebro ser mais negativo que positivo, como a própria neurociência já comprovou, a tendência de quem cuida de pessoas idosas ou doentes, principalmente que possui um vínculo de afetividade com elas, é de aumentar sua ansiedade e de deprimir. Essa tendência é alta, mesmo que você ache que não.

Sabe porquê? Por várias razões!


– Porque o idoso precisa de rotina e nosso cérebro precisa alimentar sua plasticidade neuronal, sua capacidade de regeneração, com novidades. O idoso precisa de repetição e por vezes, muita repetição, dependendo da demência ou do quadro que possui, o que desgasta nosso campo mental e emocional, muitas vezes de forma sorrateira.

– Porque normalmente o nosso campo das emoções negativas é constantemente ativado nessa convivência, seja pelo medo de errar, seja pelo medo do que vai acontecer, seja pela preocupação com o bem-estar do idoso… As emoções positivas também são acionadas e liberam as “químicas boas” como chamo (dopamina, ocitocina, serotonina e endorfina) através da gentileza, da bondade, do toque, do carinho, do amor, da alegria, mas, na maioria das vezes, não na intensidade necessária para combater a batalha contra o stress que vem com o cuidado ao idoso.

Se o cérebro já é mais negativo normalmente, temos que ativar muito nosso lado positivo para contrabalançar nessa situação de doação, de cuidado, pois essa é sempre uma situação imprevisível. E não esqueça, que uma das maiores dificuldades nossa, como seres humanos, é a de lidar com o imprevisto, com o que a gente não pode controlar.

Sabe o que me ajudou a não deixar que as emoções negativas tomassem conta, enquanto cuidava dos meus idosos queridos?

Foram as dicas que compartilho logo abaixo e, que espero que te ajudem como me ajudaram e ajudam.

Estimular mais os nossos 5 sentidos: o que ajuda gente e a eles também, se der para fazer junto. Ao fazer uma refeição, cheirar o pão, ver o colorido da comida, colocar uma música agradável no momento da refeição, agradecer o alimento, sentir no paladar os diferentes sabores, mais picante, mas amargo, mais doce…
Quanto mais a gente estimula os sentidos ao mesmo tempo, nas refeições, no banho, nas caminhadas, sempre que der, mais a gente libera as químicas boas. E você pode fazer em você e no seu ente querido se der, quando der e o que der para fazer.

Procurar ver filmes, desenhos, ou vídeos engraçados, falar coisas amenas, trazer lembranças que tragam a memória celular positiva.
Quando a gente lembra de coisas boas que aconteceram, a memória desse acontecimento volta em todas as células, em todo nosso corpo. Experimente agora! Pare, feche os olhos, fique dois ou três minutos apenas e pense em algo muito feliz em sua vida! Viu? Já foi o suficiente para mudar seu estado mental, não é? Imagine fazer por um pouquinho mais de tempo… Imagine fazer todos os dias…

E não esqueça que, dependendo do caso, você pode fazer com que seu ente querido faça também. Mostre fotos, pois é mais difícil para eles imaginar. Se não tiver lembranças mostre coisas que ele gostava e que possa ficar bem, ficar feliz. Vídeos “fofos” de bichinhos, crianças, natureza, o que for agradável.

Escreva sempre ao final do dia tudo de especial que vivenciou. Tudo o que te fez sentir bem. Ao escrever reviva e intensifique os sentimentos. A energia vai fluir intensamente em você.
Podem parecer exercício simples, mas são poderosos. E, o mais importante é que são fáceis de adaptar a nossa rotina.

Afinal, a vida de quem cuida de idosos já é complicadinha o suficiente, não é?

Por isso trouxe esses exercícios, para descomplicar, para ajudar a manter sua energia emocional todos os dias.

Espero ter ajudado! Espero que faça sempre, pois o resultado é realmente eficaz!

Grande e carinhoso abraço!

Isabel

Você sabia que O Segredo está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.



Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.