ColunistasComportamentoO Segredo

31 atitudes que definem o teu nível de maturidade

31 atitudes que definem o teu nível de

A idade cronológica das pessoas não define o seu nível de maturidade. Duas pessoas com a mesma idade podem ter níveis de maturidade diferentes e pessoas de idades muito distanciadas podem ter níveis de maturidade iguais.



Também é comum numa fase inicial oscilar entre diferentes níveis de maturidade de acordo com o contexto onde estamos. Se estamos junto de amigos, familiares ou colegas de trabalho podemos ter níveis de maturidade diferentes. No entanto, o que venho a sentir é que à medida que se evolui, esta diferença começa a ser cada vez menor, pois em qualquer local nós somos cada vez mais fiéis a nós mesmos. O contexto exterior deixa de ter efeito sobre nós.

Infelizmente, na grande maioria da nossa sociedade o nível de maturidade das pessoas continua no mesmo nível de uma criança: “Se ele gostasse de mim, fazia x” ou “Se ele fosse mesmo meu amigo, fazia y”. A criança facilmente amua, faz queixas, birras, beicinhos, acusa e faz às escondidas o que não lhe é permitido.

É muito importante o auto-conhecimento e um trabalho de consciência sobre quem sou e como estou a reagir aos outros e à vida. Se a partir da minha criança emocional ou do meu eu adulto.


Tal como diz a Dra. Sills: “A idade cronológica marca quantos anos temos de vida, mas a idade emocional reflete o que fizemos durante esse tempo”.

Analisa os seguintes aspetos e se responderes que não à maioria há algo que é importante fazer e que não se resolve apenas com o teu envelhecimento:

  • Eu honro e reconheço as minhas necessidades e aceito que os outros possam ter necessidades diferentes das minhas.

  • Eu consigo estar ao pé de outras pessoas sem me sentir desconfortável ou reagir a elas.
  • Eu constato que os níveis de conversa das pessoas com quem me dou têm melhorado.
  • Eu sei impor limites aos outros, sem me chatear com eles e ao mesmo tempo mantê-los perto de mim.
  • A maioria dos meus relacionamentos não são co-dependentes.

  • Eu consigo usar uma linguagem simples para problemas e situações muito complexas.
  • O desconhecido e a incerteza deixaram de ser um problema para mim.
  • Ser importante, admirado ou reconhecido tornou-se irrelevante para mim.
  • Estou disposto e tenho humildade para trabalhar e abordar o que for necessário para a minha evolução, em vez de pensar que já evolui tudo o que é preciso.

  • Nem sequer consigo pensar em não ser autêntico.
  • Sinto que não tenho mais nada a provar a ninguém.
  • Já travei batalhas comigo mesmo e superei-me de várias maneiras possíveis.
  • O meu comportamento é cada vez mais uma expressão da minha essência.

  • A minha evolução deixou de ser um objetivo a alcançar para ser o resultado de uma vida consciente e integrada.
  • Vejo as tradições como uma escolha que faço alinhada com os meus valores e não como um hábito ou uma obrigação.
  • Viver a minha vida tornou-se uma forma de arte.
  • O medo já não me consegue parar por muito tempo.

  • Estou razoavelmente confortável fora da minha zona de conforto.
  • Eu tomo decisões e faço escolhas de forma autónoma.
  • Aconteça o que acontecer eu sei que há várias perspectivas de olhar para isso e várias soluções para as resolver.
  • Eu consigo através da linguagem expressar tudo o que estou a sentir e a ver, de forma amorosa, clara, objetiva e direta.

  • O meu corpo é o meu guia nas decisões que tomo no dia-a-dia.
  • Eu rio de mim quando constato que estou a sofrer porque criei expectativas.
  • Eu rio ainda mais quando me deparo com a minha humanidade.
  • O sucesso tornou-se um mero sentimento e não um resultado que procuro conquistar.

  • Em vez de usar poder sobre os outros, eu uso a força em mim mesmo.
  • Eu não tenho medo de ter uma vida que é a ideal para mim, mesmo que isso signifique fazer grandes mudanças.
  • O passado e o presente são irrelevantes perante o êxtase do presente.
  • Eu sou a voz da experiência.
  • Sinto-me cada vez melhor na minha pele.
  • Peço o que quero sem manipulação, esquemas ou “beicinhos”.

Convido-te a começar a colocar em prática aquilo a que respondeste com um não.

 

___

Clarisse Cunhaperfil

Curiosa, questionadora e irrequieta levanta-se todos os dias a pensar no que vai partilhar.

Comunicar com os outros tornou-se na porta de acesso à sua essência. Além de colaborar com O Segredo podes deixar-te inspirar pelas suas palavras no seu site (clarissecunha.com) e instagram (@cunhaclarisse).

25 lições para quando você estiver pronto para uma vida mais simples

Artigo Anterior

O que os outros querem afeta a minha vida. Mesmo!

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.