6min. de leitura

4 hábitos mentais que o fazem mais inteligente e mais autoconsciente:

“Sou conduzido por duas principais filosofias: Saiba mais hoje sobre o mundo do que eu sabia ontem e diminua o sofrimento dos outros. Você se surpreenderia com o quão longe isso o levará. ”― Neil deGrasse Tyson


O que você sabe hoje que não sabia ontem? Sábado passado? Ano passado?

Você caiu em uma rotina intelectual?

Desperte sua mente, e revigore sua curiosidade intelectual.


Estes quatro simples hábitos podem ajudar seu cérebro a expandir além de suas expectativas mais selvagens:

1. Aprendizado intencional

Muitos dizem que aprendemos continuamente. Nós lemos livros. Nós nos atualizamos sobre política. Viajamos para nossos lugares e fazemos coisas novas. É maravilhoso ter uma vida que incorpora o aprendizado passivo no contexto de outras atividades – mas quando foi a última vez que você saiu do seu caminho para tentar algo diferente a fim de aumentar a sua base de conhecimento? Quando aprendemos através de nossas empreitadas, temos a tendência de ficar em nossa zona de conforto. Nós escolhemos os livros que reforçam nossa mentalidade atual. Viajamos para lugares que já conhecemos um pouco. Crescemos, mas nós realmente mudamos alguma coisa?

Uma vez ao mês, comprometa-se a fazer uma atividade que está fora de sua zona de conforto. Faça isso com a única intenção de aprender. Leia um livro de um político que você discorda. Assista um culto de uma igreja que você não pertence. Assista uma aula de algum assunto que surpreenda seus entes queridos. Desta forma você pode desbloquear uma nova e inesperada parte de sua mente.



2. Questionamentos corajosos

A maioria de nós evita questionar as coisas. Tomamos o mundo como ele é, e nós aceitamos as pessoas em seu valor nominal. Não mergulhamos mais fundo e vivemos complacentes. Podemos nunca descobrir o que exatamente nos falta – e isso é uma tragédia. Comece a fazer perguntas difíceis.

Pergunte às pessoas sobre suas famílias, seus amigos, seus colegas de trabalho, e suas políticas. Uma pergunta difícil não precisa ser conflituosa ou ofensiva- só precisa desafiar a mente. Pergunte aos seus filhos o que eles mudariam sobre o mundo, se tivessem o poder de mudar uma coisa. Pergunte a um político local como um projeto controverso pode afetar sua própria família. Pergunte ao seu chefe qual o seu maior arrependimento – e maior triunfo – de sua carreira. Então, ouça as respostas. Formule mais perguntas. Vá ainda mais fundo. “Não é que sou esperto, ” disse Albert Einstein, “é que apenas eu fico com os problemas por mais tempo. ”


3. Escute imersivamente

Como Chuck Palahniuk disse, “As pessoas não escutam, apenas esperam pela sua vez de falar. ” Escutar de forma imersa é uma ótima tática para certificar-se de que seu parceiro está sendo ouvido, e ainda mantém o foco em você. Ao invés disso, tente ouvir de uma forma passiva e imersiva. Perca-se nas palavras dos outros. Não seja crítico. Não comente, relacione suas próprias experiências, ou decida se você concorda ou discorda.

Apenas escute. Ouça-os. Não reaja – internamente ou externamente – até que o seu parceiro tenha finalizado. Aplique esta estratégia a todo o monólogo que você se importa -um discurso político, uma conversa de Ted, ou até mesmo a tagarelice de seu filho sobre o dia na escolinha. Quanto mais absorvemos, mais aprendemos. Quanto mais escutamos, mais abertas e poderosas nossas mentes podem se tornar.


4. Observação ativa

Você pode já ver tudo ao seu redor, mas no que você realmente repara? A maioria de nós observa o nosso mundo de uma forma passiva, tomando nota de apenas as coisas que pensamos estarem relacionados a nós diretamente. Gaste dez minutos hoje observando seu mundo com um olhar crítico. Observe as pequenas coisas. Analise a dinâmica cotidiana – global, interpessoal, social – que normalmente passa batido por você.

Pense nessas coisas em um nível mais profundo. Tome nota de suas próprias reações e preconceitos. Por que o mundo funciona desta maneira? Por que você vê as coisas desta maneira? O que isso diz sobre você? Estas análises internas aumentam o nosso senso de autoconsciência. Esta é uma prática valiosa, mas não conta para o contexto do nosso ambiente.

Nós não existimos em um vácuo. Isso pode resultar em algo faltando em nossa autoimagem. Você vai se surpreender com o que você pode aprender sobre o seu mundo interior quando você faz um esforço para mudar o seu foco para fora.


Direitos autorais da imagem de capa: eugenepartyzan / 123RF Imagens

Traduzido pela equipe de O Segredo – Fonte: I Heart Intelligence





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.