publicidade

4 razões pelas quais você não deixou sua zona de conforto ainda:

A vida sempre começa um passo fora da sua zona de conforto.

Às vezes parece que todos ao nosso redor fazem mudanças significativas, como mudar de cidade, de emprego, casamento, viagens para fora do país, nova dieta, começar novos esportes. Todos parecem sair de suas zonas de conforto!



Mas , afinal,  que é uma “zona de conforto”?

É a rotina confortável que nós apreciamos todos os dias, é o que comemos de manhã, o nosso caminho de sempre para o trabalho, as pessoas com quem falamos, piadas que contamos, e os lanches que comemos antes de dormir. É o conforto que trabalhamos para viver, para nos dar uma sensação de segurança e realização.

Parece ótimo! Mas isso não fica um pouco chato depois de um tempo? Saímos de férias, tiramos os fins de semana para sair da cidade e sair com pessoas diferentes. Mas há aquelas pessoas lá fora que realmente saem da estratosfera da zona de conforto. Eles fazem vídeos de viagens, seguem caminhos intrigantes na carreira e suas decisões são espontâneas. E embora apreciemos nossos confortos, temos uma admiração por esses tipos de pessoas, uma curiosidade sobre como seria viver um dia em suas vidas.

Bem, por que não tentamos? Estas são as coisas que as pessoas dizem quando lhes perguntam por que e não deixaram sua zona de conforto ainda. Razões mais conhecidas como “desculpas”.

1. “Eu não sei o que fazer”

Muitas pessoas vivem com roteiros em sua zona de conforto. Estão felizes em dizer que não se aventuraram ainda porque, simplesmente, não sabem o que fazer. Bem, há muitas coisas para fazer! Felizmente, a Internet está repleta de guias, conselhos e opiniões profissionais de pessoas que deram um outro sentido às suas vidas.


Fugir da sua zona de conforto não significa viajar de carona pelo Nepal por dois meses. Pode ser algo fácil como entrar em um clube de dança ou fazer uma viagem de fim de semana para o interior do estado. É uma oportunidade para explorar novos sentimentos e conquistar novos medos.


2. “Talvez da próxima vez”

Uma desculpa popular para as pessoas preguiçosas. O clássico “Fica para a próxima” impede as pessoas de explorar o seu pleno potencial por anos. No mundo das zonas de conforto, não há uma “próxima vez”. Existe apenas o aqui e agora. Comece a se preparar para ele, e coloque-se em movimento. Se esperássemos o “momento certo” sempre, nunca faríamos algo diferente durante a vida inteira.


3. “Eu não tenho dinheiro”

Isso pode ser verdade, mas pode ser confuso também. Você pode pensar que leva R$20.000 para sair da zona de conforto, mas, certamente, não. Se a falta de dinheiro é um problema, lembre-se de que não é preciso muito para se divertir. Uma viagem curta para a cidade grande ou uma viagem de carro com os amigos para o campo é uma grande oportunidade para fazer algo diferente, com menos dinheiro.



4. “Quando eu tiver vontade eu saio”

A razão pela qual se chama zona de conforto é porque ela é boa. Estamos felizes por estar lá. E fazer qualquer coisa pela primeira vez é um tanto assustador, mas nós fazemos isso, nós continuamos fazendo apenas o mínimo necessário e, eventualmente, ele se torna natural para nós.

O ponto é: é tolice deixar nossas ansiedades controlarem a qualidade da nossa vida, e nós precisamos controlar isso, começando com pequenos passos. Claro que todos ficam nervosos, na primeira vez que se arriscam, mas, sem dar o primeiro passo, nunca serão capazes de ver como, na verdade, é fácil de se superar.

Sabemos que está preocupado, mas também acreditamos em você. Experimente e veja o que acontece!

____

Traduzido pela equipe de O Segredo – Fonte: Mystical Raven

Direitos autorais da imagem de capa: rido / 123RF Imagens

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.