5min. de leitura

5 perguntas para te ajudar a tomar decisões difíceis

Tomar decisões pode ser uma tarefa difícil para algumas pessoas. Para mim foi das coisas que mais me custou a habituar.



A experiência ensinou-me que não existem decisões certas ou erradas, de uma maneira ou de outra todas levam-nos ao nosso centro e isso é sempre positivo.

Além disso, para ir de A a F vamos ter que passar por B, C, D e E. Não tenho encontrado na minha vida caminhos diretos e normalmente só vejo o C depois do B, o D depois do C e o E depois do D. Para chegar ao F vamos ter que tomar decisões e ir fazendo ajustes e aprendendo com elas.

O pior de tudo é não tomar decisão nenhuma. Isso mantém-nos numa vibração de medo, aumenta a dificuldade em decidir no futuro, retira-nos experiência e sabedoria e afasta-nos de nós mesmos.


Se temos dificuldade em decidir e adiamos consecutivamente as nossas decisões estamos a atrair frustrações e a perder oportunidades sem necessidade. Podemos nunca chegar ao F e com certeza que conheces pessoas que na altura da morte se arrependem de se ter contentado com um C. Fora de ilusões românticas para encobrir a nossa imaturidade, às vezes é no momento da morte ou através da perda que aprendemos a lição.

Bob Proctor referiu num dos seus livros que depois de estudar pessoas de sucesso, constatou que elas sabiam tomar decisões sem influencia dos outros, tinham confiança nelas mesmas e na presença de uma decisão errada sabiam dar a volta por cima e ir além da falha. Elas não se permitiam estar muito tempo na indecisão e decidiam com base nas informações que tinham no momento, pois o momento em que a decisão chegava era o momento certo para ela ser tomada.

Espero que estas questões te ajudem nos teus processos de decisão, lembrando-te que a melhor forma de obter poder pessoal e de chegar aquilo que honra a nossa essência é aprender a decidir sozinho.


1. Qual decisão te faz sentir mais medo e excitação ao mesmo tempo?

Onde há medo, existe um caminho para percorrer que nos leva ao F. Onde não há medo, existe apenas um C.


2. Qual decisão te vai fazer sentir orgulhoso no dia seguinte?

Um dos sentimentos que mais nos preenchem é o orgulho em nós. Quando não o sentimos, vamos cair num vazio. Para além de um sabor amargo, o vazio mata, pouco a pouco e muito lentamente.


3. Qual decisão está mais alinhada com os teus valores?

Saber os nossos valores facilita e muito as decisões em qualquer área da nossa vida. Se não sabes quais são os teus valores ou se queres confirmar se estás de fato a viver os teus valores (algo que recomendo se ainda não te questionaste verdadeiramente sobre isto) investe nesse conhecimento.


4. Vais continuar a gostar de ti depois de tomar essa decisão?

Ter a certeza de onde está o nosso auto-amor e auto-respeito é muito importante.


5. O que o amor decidiria?

Esta questão afasta-nos de decisões que possamos tomar por base no medo. O amor decide sempre por nós, o medo decide sempre contra nós.

Recomendo-te que não fujas muito deste tipo de questões. Há questões empoderadoras e questões desempoderadoras. Estas últimas trazem mais confusão, dualidade e indecisão. Saber fazer as questões certas é essencial.

 

___

Clarisse Cunhaperfil

Curiosa, questionadora e irrequieta levanta-se todos os dias a pensar no que vai partilhar.

Comunicar com os outros tornou-se na porta de acesso à sua essência. Além de colaborar com O Segredo podes deixar-te inspirar pelas suas palavras no seu site (clarissecunha.com) e instagram (@cunhaclarisse).

Você sabia que O Segredo está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.