publicidade

6 benefícios de ter uma “mãe mais velha”:

Há muitos benefícios para as mães e pais que esperam até serem mais velhos. Mas quais são os benefícios para os filhos de mães mais velhas?

O número de mulheres tendo filhos em seus 30 e 40 anos continua aumentando; ao mesmo tempo, o número de mulheres entre 20 e 24 anos tendo o seu primeiro filho está diminuindo.



Apesar dos riscos, ter bebês “mais tarde” é cada vez mais popular, sinalizando uma tendência que é mais do que provável que continue.

Avanços médicos – fertilização in vitro, congelamento de óvulos, de embriões, óvulos de doadores e substitutos – permitiram que as mulheres considerassem esperar até se sentirem prontas para ter filhos. Com a tecnologia para monitorar e proteger a mãe e o feto, muitos riscos foram reduzidos.

Há muitos benefícios para as mães e pais que esperam até serem mais velhos. Mas quais são os benefícios para os filhos de mães mais velhas?


Estudos nos últimos anos mostram alguns estereótipos negativos de mães “mais velhas” e destacam os benefícios para seus filhos:

1.É provável que as crianças tenham resultados positivos a longo prazo

Usando dados da Suécia, o estudo “Idade avançada materna e progênies da prole: envelhecimento reprodutivo e tendências do período de contrapeso” analisou como as melhorias seculares – os avanços na saúde pública, por exemplo – podem “superar as desvantagens que têm se mostrado associadas ao ser nascido de uma mãe mais velha”. Descobriram que o adiamento da fertilidade – devido a fatores como mais oportunidades de carreira para mulheres e controle de natalidade – até aos 40 anos e além,” está associado a resultados positivos a longo prazo para as crianças.”

Quando os pesquisadores analisaram dados de irmãos que tinham um ambiente familiar semelhante, observaram que o irmão nascido quando a mãe era mais velha era mais alto, permanecia no sistema educacional por mais tempo, tinha mais probabilidade de ir a universidade e apresentava melhores resultados em testes padronizados do que os irmãos nascidos quando a mãe era mais jovem.


Os pesquisadores escreveram: “Não encontramos nenhuma desvantagem substancial ou estatisticamente significativa para os resultados na idade adulta para os nascidos de mães mais velhas, nem mesmo para aqueles nascidos de mães com 45 anos ou mais … Estes resultados também são podem ser aplicados a outros países onde a saúde está melhorando e a educação está se expandindo”. Suas descobertas foram apoiadas e melhoradas em vários estudos.


2.As crianças adquirem habilidades linguísticas mais avançadas

Quando Jessica Harding e seus colegas pesquisaram “A relação entre a educação materna e os resultados acadêmicos das crianças”, descobriram que, como as mães mais velhas provavelmente permaneceram na escola por mais tempo, utilizam vocabulários mais extensos ao interagir com seus filhos desde muito cedo. O estudo deixa claro que as habilidades linguísticas enriquecidas são “um componente crucial das habilidades cognitivas das crianças”, e é evidente na forma como elas se comportam na escola. Em resumo, “As crianças expostas a ambientes de linguagem mais enriquecida demonstram habilidades de linguagem mais avançadas”.

Além disso, os pesquisadores ressaltam que “as mães com níveis mais elevados de educação provavelmente têm muitos amigos e familiares com altos níveis de educação para atuar como modelos para seus filhos”. Com uma mãe com educação universitária, a criança é exposta aos tipos de influências que promovem o sucesso acadêmico.


3.As crianças têm um bom desempenho acadêmico

O estudo de Harding, relatado em The Journal of Marriage and Family, concluiu que em muitos níveis as crianças colhem os benefícios da educação de suas mães – desde a pré-escola até a adolescência – em testes cognitivos e testes de realização, e são mais propensas a irem para a faculdade, um achado que replica aspectos do estudo sueco.


4.As crianças recebem apoio educacional e emocional

Da mesma forma, Pamela Davis-Kean, da Universidade de Michigan, descobriu que “a educação dos pais e a renda familiar influenciam indiretamente a realização das crianças por meio de expectativas educacionais e comportamentos parentais que estimulam a leitura e o jogo construtivo, e proporcionam apoio emocional em casa”. Um estudo relatado no Journal of Family Psychology, analisou como as crenças e comportamentos parentais específicos afetam o desenvolvimento de uma criança. As crianças tinham de oito a doze anos de idade.

As avaliações foram feitas em: Leitura – quantas vezes a criança lia por prazer e quantos livros tinham em casa; Sobre o comportamento do pai e da criança, registrando a participação e interação dos pais, incluindo a frequência com que eles realizavam atividades juntos; E, finalmente, o calor dos pais foi medido pelo tom de voz e frequência de elogios. A realização das crianças foi então medida apoiando a teoria de Davis-Kean de que “a educação dos pais influencia indiretamente o desempenho das crianças através do seu impacto nas crenças de realização dos pais e estimulando os comportamentos domésticos”.

Ao resumir o estudo, Davis-Kean disse: “O desempenho educacional dos pais parece ser uma grande variável no bem-estar das crianças em geral”.


5.As crianças tendem a receber mais tempo e atenção dos pais

Muitas mulheres que escolheram começar famílias mais tarde fizeram avanços ou encontraram seus objetivos de carreira, pouparam dinheiro por muito tempo, ou aumentaram seu potencial de renda antes de ter filhos. Tais situações muitas vezes dão aos pais mais dinheiro para investir em seus filhos e proporcionar uma sensação de segurança e estabilidade.

As mães – e pais – mais velhos que estão menos preocupados com seu potencial de ganho ou menos cansados por seus trabalhos tendem a ser mais pacientes e podem passar mais tempo com seus filhos.


6.As mães mais velhas projetaram viver uma longa vida, estando presentes para seus filhos

Contrariamente a alguns argumentos, os avanços nos cuidados de saúde e as atitudes das pessoas em relação ao exercício físico indicam que as mães mais velhas vivem muito tempo. Um estudo no Menopause Journal examinou a expectativa de vida das mães mais velhas e descobriu que as mulheres que tiveram seu último filho após a idade de 33 anos provavelmente viverão até os 95 anos. De fato, os pesquisadores relataram que essas mulheres tiveram o dobro de chance de viver até os 95 anos ou mais do que aquelas que tiveram seu último filho antes de completar 30 anos.


Fontes: Barclay, K. and Myrskyla, M. “Advanced Maternal Age and Offspring Outcomes: Reproductive Aging and Counterbalancing Period Trends.” Population and Development Review, 2016. doi: 10.1111/j.1728-4457.2016.00105.x – CBS News. “For First Time Moms, 40 is the New 30,” CBS Sunday Morning, May 8, 2016.  – Davis-Kean, Pamela. “The Influence of Parent Education and Family Income on Child Achievement: The Indirect Role of Parental Expectations and the Home Environment.” Journal of Family Psychology, 2005. doi: 10.1037/0893-3200.19.2.294 Harding, Jessica F., Pamela A. Morris, and Diane Hughes. “The Relationship Between Maternal Education and Children’s Academic Outcomes: A Theoretical Framework.” Journal of Marriage and Family, February 2015. pp. 60-75.

____

Traduzido pela equipe de O Segredo – Fonte: Psychology Today

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.