AmorComportamentoRelacionamentos

6 coisas que são capazes de assassinar um relacionamento:

amor vida fim de relacionamento

Os namoros têm durado cada vez menos tempo, ou isso é apenas uma impressão minha?



Pelo Facebook, acompanho a novela da vida alheia e, graças a status amorosos que são alterados diversas vezes ao ano, percebo que as relações – assim como as ereções de um homem centenário – estão acabando antes mesmo de começar. Isso me assusta.

Parece-me que as pessoas estão ficando descartáveis e que os relacionamentos andam perdendo o valor que algum dia tiveram. Não estou defendendo aquela coisa extremista e imutável do “até que a morte os separe”, mas, algo em mim insiste em dizer que namorar anda tão sério quanto o Programa do Faustão.

E, para aqueles que ainda acreditam no valor e na seriedade das relações, a seguir, eu falarei de coisas que devem ser evitadas para fugirmos dos desgastes desnecessários e para prolongarmos a duração do laço.



1. COMEÇAR A RELAÇÃO FINGINDO SER ALGUÉM QUE VOCÊ NÃO É

É muito comum – com o objetivo de agradar o parceiro e evitar situações com potencial gerador de discordâncias – observar pessoas forjando personalidades e se podando, severamente, no começo de uma relação. Quer um exemplo? O cara, religiosamente, desde os dezoito anos, uma vez por semana, ia ao bar com os amigos. Porém, depois que começou a namorar, com medo da “patroa” não aprovar as noites beberronas no boteco, parou de ir. Quer mais um exemplo? Vou dar mesmo assim: a mulher era muito amiga de um cara, mas, quando começou a namorar, com medo de gerar ciúme no novo parceiro, esqueceu, propositalmente, o amigo em algum conto escondido do passado. Você já viu isso, certo? E, talvez, assim como eu, até já tenha protagonizado mutações ruins do tipo. Eu sei como é. Agimos assim – quase que instintivamente – com o intuito de tentar proteger, dos ruídos, a relação que está começando. Cortamos da rotina tudo aquilo que consideramos capaz de criar atritos – por menores que sejam – entre nós e aquele que começamos a amar. E, sem perceber, amputamos também partes cruciais de nossas identidades. No começo, tais mudanças parecem ser capazes de blindar a relação, porém, com o tempo, elas nos transformam em uma bomba-relógio. Em seres sufocados que, a cada dia, sentem-se mais frustrados pela incapacidade de ser exatamente aquilo que são. Não estou dizendo que, no começo do namoro, devemos permanecer exatamente iguais ao que éramos quando estávamos solteiros. Nada disso! Só acho que não podemos nos vestir daquilo que não somos e que não suportaremos ser por muito tempo, pois, se assim fizermos, no futuro, enxergaremos o parceiro como um muro que nos separa da nossa própria essência. E, cedo ou tarde, vamos pulá-lo em busca do nosso próprio reencontro.



2. NÃO DEIXAR ESPAÇOS ENTRE VOCÊ E O PARCEIRO

Sabem do que eu estou falando? Daquelas pessoas que fazem o possível para passar o dia todo em contato com o parceiro. De seres que mandam um SMS a cada segundo e que ligam oitenta e nove vezes por dia. Lembrou-se de alguém? Ou se viu protagonizando a cena? Se você pensa que o segredo para marcar presença na mente do seu amado é passar o dia todo em contato com ele, saiba que está no caminho errado. Se impedir todo e qualquer momento de ausência, você só vai asfixiá-lo e não dará o espaço necessário para que ele sinta a sua falta. Não estou dizendo para você, somente para deixá-lo pensando em você, sumir totalmente do mapa. Nada disso! Apenas recomendo que aceite os hiatos normais que certamente acontecerão entre você e ele. E entenda, de uma vez por todas, que ao deixar de tentar inibir tais distâncias naturais, você fará com que ele sinta ainda mais desejo de estar ao seu lado.


3. DEMONSTRAR CIÚME DOENTIO


Dizem que o ciúme é o perfume do amor. Em alguns casos, até pode ser. Porém, precisamos tomar muito cuidado com ele, pois se errarmos na dose e exagerarmos nas borrifadas, o perfume pode se tornar um potente veneno. Algo capaz de matar até mesmo as relações que aparentam possuir raízes bem sólidas. Você realmente tem motivos para ter tanto ciúme assim? Seu namorado, alguma vez, deu motivos para suas demonstrações doentias e chiliques dignos de um rock star embriagado? Ou é você que não consegue controlar seus pensamentos sombrios e infundamentados? Pense bem. Eu conseguiria entender você, caso seu namorado tenha ficha suja e um histórico capaz de deixar o pior dos canalhas no chinelo. Aí, o melhor a fazer para parar de andar com a pulga atrás da orelha, é dar uma bicuda na bunda dele ou aceitar que ele – como o próprio fez questão de repetir a você – é um novo homem. Agora, se o seu namorado nunca deu motivos e você, ainda sim, continua o colocando diariamente em um detector de mentiras, saiba que está agindo certo se o que quer é afundar a relação. Outra coisa que deve ter em mente: demonstração de ciúme não evita traição. Pense assim, aceite que o inevitável está sempre sujeito a acontecer e seja mais feliz. Pronto, agora você já pode dispensar o detetive e gastar o seu dinheiro com coisas mais úteis. Sapatos, por exemplo.


4. ACHAR QUE A NECESSIDADE DE CONQUISTA JÁ ACABOU


Lembra-se de como você agia no começo da relação? Não? Então eu vou lhe ajudar: quando começaram a namorar, você não transformava cada gota de stress em desculpa para usar seu namorado como saco de pancada, estou errado? No primeiro mês de namoro, você se preocupava bem mais com a sua aparência e não dormia, todas as noites, com a mesma calcinha de elástico frouxo, certo? Antes, quando ainda não tinham completado nem um ano juntos, você fazia questão de fazer surpresas e de demonstrar, de alguma forma, o seu amor por ele. Né? E hoje, o que faz? Nada, eu sei. Não estou dizendo para usar calcinhas fio dental todos os dias, mas, por favor, pare de assustá-lo com os trapos velhos que tem usado todos os dias. É claro que, vez ou outra, acabará descontando seu stress nele. Porém, saiba que ele não é um João-bobo e que vai cansar se apenas se sentir útil na hora de apanhar. Outra coisa: eu sei que ele é homem e que aparenta não ter aquilo que você chama de “frescura”, mas, acredite se quiser, ele também gosta de receber demonstrações de amor. Você não precisa contratar aquelas Kombis que fazem declarações públicas de amor e que conseguem matar, de uma só vez e de vergonha, todos os funcionários da empresa em que o homenageado trabalha. Apenas lembre-se: enquanto houver relação, haverá necessidade de conquista. Não relaxe ou ele, por culpa da sua completa falta de atitude, acabará com aquela vizinha que você tanto odeia.


5. FAZER COCÔ DE PORTAS ABERTAS

Qual é a coisa mais importante em uma relação? Em minha opinião é a intimidade. Porém, saiba que até ela precisa de limites. Quando ultrapassamos tais barreiras, matamos a individualidade da qual necessitamos para nos lembrar de que – além de parte de uma relação – ainda somos indivíduos. Por isso, por mais íntimo que você seja do seu parceiro, faça o possível para preservar momentos que farão com que ele – a menos por um cocô – sinta-se livre para ter o próprio espaço e um recanto intocável.



6. MENTIRAS

Estaria mentindo se dissesse que seu parceiro, após descobrir várias mentiras suas, seria capaz de confiar em tudo que disser. E, depois que ele começar a desconfiar da veracidade de cada palavra que sair de sua boca, saiba que a relação estará condenada ao fracasso e à desconfiança crescente. Por isso, ao invés de contar mentiras que vão minar a sua credibilidade e, consequentemente, o futuro da relação, sempre opte por dizer verdades que vão gerar discussões que morrerão no presente.

_____________


Por: Ricardo Coiro – Via: Superela

Trago seu amor de volta em 7 dicas:

Artigo Anterior

7 dicas para sobreviver a um pé na bunda:

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.