publicidade

6 coisas sobre a psicoterapia infantil que ninguém te contou…

“Meu filho não faz sequer uma refeição direito, as notas na escola estão péssimas, ele esconde o dever de casa e ainda por cima não me respeita mais. E agora, será que procuro um psicólogo?”



Talvez muitos pais estejam passando por isso e, sem dúvida, muitos já passaram. A pergunta que eles se fazem muitas vezes é: o que eu fiz de errado?

“Agora já era. Meu filho me odeia. Fiz tudo que reclamei dos meus pais e mais um pouco. Não queria ter chegado a esse ponto. Fracassei.”

Opa! Espere um pouco. Não é bem assim, não.


Vou explicar algumas coisinhas que ninguém te contou, mas que são verdades verdadeiríssimas!

1) Conflitos são saudáveis em todas as fases da vida

Sentir-se estranho na própria vida. Quem nunca? Assim como os adultos, crianças e adolescentes também têm conflitos. Eles pensam muito nos pais, sentem angústia, se perguntam de onde vêm, o que são, para onde vão, por que morrem… Se para nós isso já é suficiente para dar um nó, imagina para quem está há pouco tempo nesse planeta? Algumas vezes eles também se atrapalham na misteriosa missão de viver.


2) Qualquer pessoa pode fazer terapia 

Sim. Eu, você, sua colega de trabalho, seu filho… Enfim, todos nós temos motivos suficientes para ir ao psicólogo. Da mesma forma que ir a um dentista é algo corriqueiro para quem tem, vai ter ou teve dentes, ir ao psicólogo é absolutamente esperado para quem… está vivo! (Então você está me dizendo que todos precisam de terapia?) Não! Não digo isso pelo fato de não gostar da palavra “PRECISAM”. Ir à terapia não é da mesma importância que beber água, por exemplo. Isso sim a gente precisa para sobreviver. Mas todos PODEM ir ao psicólogo.



3) Os psicólogos veem os pais como parte do tratamento

Para a Psicologia, não se pode conhecer integralmente uma pessoa sem levar em conta sua história de vida. No caso das crianças, a maior parte de seu conteúdo psíquico vem das experiências com os pais ou cuidadores. Por isso, nem precisa se sentir culpado porque o psicólogo do seu filho te chamou para conversar. Ele faz isso com todos. E provavelmente te chamará mais vezes. Ele realmente quer que as crises sejam solucionadas, e isso inclui as suas também.


4) Provavelmente você cometeu alguns erros

A não ser que estejamos lidando com super-heróis e fadas, posso afirmar que todos os pais erram. Aliás, quando vão inventar filhos com manual de instrução? (Poderia né, enquanto isso a gente tenta fazer o melhor.) Bom, a verdade é que na maioria das vezes se erra tentando acertar, ou sem saber o que está fazendo. Nossa fonte de referência no geral é aquilo que aprendemos (de certo ou errado). Logo, é muito comum repetirmos os mesmos erros que nossos pais, avós, bisavós… E é na tentativa e erro que vamos levando a vida, aprendendo e ensinando. Até que… alguém de fora nos ajuda a encontrar esse “ponto cego” que nos faz repetir os mesmos padrões.


5) O NÂO é mais forte que o SIM

Seu filho parece não dar valor a nada de bom que você fez, mas na hora de lembrar de um defeito seu, ele não hesita. Bom, normal. Ele dá valor sim, apenas está se sentindo no olho do furacão e no momento não consegue se afastar e fazer uma leitura geral da situação e enxergar além. Freud nos ensinou que as lembranças negativas marcam mais que as positivas. Em parte, isso ocorre porque de alguma forma as guardamos num baú quando não suportamos a dor que elas nos causam, em vez de jogarmos fora. E esse baú eventualmente abre. Daí vem aquela enxurrada de mágoas, raiva e tristeza. Mas isso não faz ninguém esquecer as coisas boas.


6) Crianças quase sempre gostam de fazer terapia

Confesso que essa parte é bem especial para mim. Esperei muito por esse momento (que exagero!).

Pais, mães, pães, madrastas, padrastos… Entendam! Dificilmente crianças terão preconceito. Elas não se sentirão malucas ou diferentes por fazerem terapia, a não ser que vocês sustentem essa ideia. Posso dizer por experiência própria na clínica infantil que a maioria até gosta de ter esse momento só para si. Sentem-se especiais. Psicólogos devem respeitar o tempo de cada pessoa, por isso, elas não se sentirão invadidas se estiverem com um bom profissional, muito menos se sentirão doentes. A ludoterapia, que é de forma geral a terapia através do brincar, costuma ser prazerosa para as crianças. Psicólogos brincam, pintam, conversam, jogam… fazem tudo que elas gostam para que o tratamento flua naturalmente. Muitas vezes vocês podem achar até estranho esse trabalho, mas acredite, anos e anos de estudo ocorreram para se chegar a essa prática, e funciona de verdade. A terapia não é o fim, mas um dos meios de se alcançar a sementinha do desenvolvimento e do autoconhecimento. E dentro desse meio, existem outros meios, que são as técnicas e instrumentos. Lembrando que não é de um dia para o outro que padrões de anos e anos vão mudar, é necessário ter paciência para que as mudanças não sejam apenas passageiras.

Espero que eu tenha contribuído para desmistificar algumas “falsas verdades” que circulam por aí. Não tenha medo, se a sua vontade é procurar um psicólogo, vá em frente!

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.