6min. de leitura

6 comportamentos que você deve evitar com seus filhos:

“O estresse a longo prazo é tóxico para o cérebro jovem e prejudica sua tarefa-chave, que é aprender a integrar e regular pensamentos e emoções”. – Terri Apter, Ph.D.


Você sabia que as respostas das crianças aos argumentos dos pais começam na infância?

As crianças aprendem a agir e a falar com os adultos. Elas “espelham” o comportamento de um adulto. Se uma criança ouve uma palavra de maldição ou vê violência, isso permanecerá com ela.

Uma criança ainda não possui as faculdades cognitivas para regular plenamente os estados emocionais. Então, está sujeita a níveis excessivos de estresse e ansiedade, mesmo sem ter a capacidade de lidar com isso.

Quase todos os especialistas em saúde mental admitem que o que uma pessoa experimenta durante a infância tem uma influência considerável em quem se tornam como adultos.


Abaixo estão 6 comportamentos para evitar quando perto de seus filhos:

1. Falar em excesso sobre seu filho ou para ele

Mais especificamente, não ouvir seu filho, apenas falar para ele. Todos entendemos que a maioria das crianças é impulsiva e, de tempos em tempos, isso exige que os adultos aumentem um pouco o tom.

No entanto, a comunicação adequada entre pai e filho é crucial para o seu desenvolvimento. Dra. Barbara Greenberg, uma conhecida psicóloga clínica infantil e adolescente, afirma:


“Os pais tóxicos são conhecidos por não escutar seus filhos, mas, em vez disso, falar em excesso sobre ou para eles. Os pais devem fazer um esforço para permanecerem em silêncio e ouvirem sempre. Dessa forma, a criança vai falar mais e confiar mais.”


2. Falta de autocontrole

É muito fácil para os pais ficarem frustrados com uma criança.

A maioria dos adultos é ignorante no grau em que suas ações estimulam ou desencorajam o comportamento de uma criança. “Quando você aprende a identificar e gerenciar suas próprias frustrações parentais, surpreende-se com a forma como os comportamentos desafiadores do seu filho podem melhorar rapidamente”, diz o psicólogo infantil Dr. Jeffery Bernstein.

Praticamente falando, um pai que antecipa uma sensação de frustração e ainda age de forma construtiva (por exemplo, passar  mais tempo com seu filho), verá uma mudança no comportamento do mesmo.


3. Ser um amigo, ao invés de um pai

Uma criança precisa de orientação e amizade. O primeiro é uma responsabilidade parental, o segundo é adquirido através do desenvolvimento social.

O comportamento mais inadequado é particularmente comum durante a adolescência. Nessa fase, o pai ou mãe irá “acomodar” seus filhos, sendo também melhor amigo, no lugar de mãe ou pai.

Limites entre esses dois tipos de relacionamentos devem ser firmemente definidos para mitigar os efeitos de extrema codependência. Seu amor e compaixão demonstrarão a vontade de estar lá para seu filho – não é necessário tornar-se um adolescente de 14 anos novamente.


4. Não permitir que seus filhos sejam independentes

Assistir uma criança evoluir, alguém que você ajudou a crescer, pode ser uma experiência esmagadoramente poderosa. A maioria dos pais concordará que testemunhar a evolução de seus filhos é a coisa mais bonita do mundo.

Mas alguns pais sufocam essa beleza através do comportamento superprotetor (muitas vezes fora do altruísmo.) Como pais, percebemos que mitigar todos os riscos, independentemente da idade, é impossível. Quando se trata de nossos filhos, o amor, às vezes, triunfará a lógica.

Os psicólogos infantis concordam que a natureza independente de uma criança deve ser cultivada – e por uma variedade de razões: autoconfiança, habilidades sociais e autodescoberta, entre outras.


5. Autocrítica verbal

Criticar-se na frente do seu filho é uma espada de dois gumes: sua autoestima decai, assim como a percepção do seu filho sobre seu pai/mãe.

Alguns conselhos profissionais: Primeiro, mantenha os pensamentos negativos para si mesmo. Aguarde um momento e um lugar apropriados para contemplar e refletir. Em segundo lugar, mostre ao seu filho que você é confiante e capaz de cuidar de si mesmo.

Por exemplo: exercite-se e planeje refeições saudáveis, ​​enquanto ensina a importância do autocuidado.


6. Negligenciar as suas necessidades

Uma pergunta simples: você está dando a seu filho tempo suficiente?

Entre o trabalho e outras obrigações, pode ser difícil priorizar e acompanhar tudo. É muito fácil tornar-se o pai “Estou ocupado agora”.

A solução simples: Dê atenção e carinho a seu filho, sempre que possível, mesmo que você esteja cansado. Reserve de 10 a 15 minutos para abraçá-lo quando chegar em casa, olhar sua lição de casa, colocá-lo na cama e desejá-lo boa noite.

Se você está fazendo isso, e sozinho, você é um excelente pai/mãe. E, provavelmente, está criando um ótimo filho.

Finalmente, agradecemos a todos os pais maravilhosos e atenciosos. Vocês nos fizeram as pessoas que somos hoje – uma dívida que nunca pode ser reembolsada. Nós amamos vocês todos, do fundo de nossos corações!

____________

Referências do texto:  americanspcc   – rd.com   –  psychologytoday  – understood.

 

Traduzido pela equipe de O Segredo  – Fonte: Power Positivity





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.