5min. de leitura

8 lutas universais que pessoas altamente intuitivas vivenciam:

Ser intuitivo é ser consciente de si mesmo. Ser consciente de si mesmo é poder compreender as partes imateriais de você que existem dentro do seu ser físico.

Os benefícios para este tipo de entendimento são, obviamente, infinitos, mas raramente são discutidos todos os desafios que vêm com a sintonização com o seu intuitivo e interno “conhecimento”.


Abaixo estão as lutas diárias das pessoas altamente intuitivas:

1. Nós sempre sabemos quando alguém está nos prejudicando, mesmo quando não nos pronunciamos sobre isso

Para manter nossas estruturas familiares ou nossos empregos, nem sempre podemos falar com as pessoas sobre sua absoluta falta de conscientização e isso se torna realmente frustrante quando as vemos perturbadas pela falta de percepção que têm.


2. Quase nada é tão irritante como quando as pessoas fingem emoção, porque podemos perceber isso, tanto quanto podemos entender as coisas reais

E é algo que as pessoas fazem o tempo todo: fingir emoção para obter uma certa reação dos outros (geralmente atenção ou amor).

Isso é tão fisicamente palpável quanto qualquer emoção real e é infinitamente frustrante, porque acabamos sentindo como se tivéssemos de fingir uma resposta, e fingir nossa própria experiência emocional é essencialmente a antítese da nossa existência.



3. Sentimo-nos estranhamente responsáveis ​​por corrigir os problemas do mundo.

Esse provavelmente é apenas o resultado de deixar a intuição transformar-se em empatia e, em seguida, deixar a empatia se transformar em adoção de emoções e problemas que não são realmente nossos.

Nós nos encontramos, rotineiramente, em conversas de horas profundas tentando resolver os problemas de todos como se fossem nossos.


4. Às vezes, é difícil determinar se estamos exagerando ou realmente entendendo algo

A ironia de não saber, intuitivamente, se você está sendo intuitivo ou não, está perdida em mim, mas o ponto é que somos humanos, somos falíveis; às vezes pensamos que estamos sentindo algo, só porque nossos pensamentos nos convenceram assim.


(É extremamente crucial para as pessoas intuitivas serem capazes de usar a lógica para determinar em que confiar e como agir.)


5. Vivemos em um mundo que valoriza a lógica mental, não o raciocínio emocional

A nossa atitude de “fazer coisas a qualquer custo e o mais rápido possível” é responsável por grande parte da nossa miséria coletiva, embora as pessoas ainda não  entendam completamente isso. Enquanto isso, indivíduos com base em emoção ainda precisam existir neste mundo, e todos sabemos como as pessoas excessivamente emocionais são tratadas na estrutura atual ( não particularmente bem).


6. Podemos sentir muito além do que queremos, então, acabamos nos isolando

Nós, honestamente, nem sempre queremos saber as coisas que, instintivamente, sabemos, e a percepção de que temos essa capacidade, muitas vezes, leva a um isolamento terrível de nossas próprias emoções, para que não possamos lidar com o potencial de encararmos algo com o qual não sabemos como lidar.


7. Somos muito conscientes porque sabemos como as pessoas pensam

Nós éramos as crianças que sempre estavam ansiosas sobre o que as outras pessoas estavam pensando – geralmente porque podíamos “saber” com precisão, de uma maneira que outras pessoas não conseguiam. Não é que éramos, particularmente, vitimizados, só que estávamos mais conscientes dos processos de pensamento interno das pessoas do que os demais.


8. Não há nada que desejemos mais do que apenas “resolver as coisas”

Somos as pessoas que prosperam em certeza, que só querem mergulhar em um relacionamento quando estiverem certas de que é com “a pessoa certa”.

Isso se torna uma luta porque a vida não é sobre ter certeza, trata-se de tentar, de qualquer maneira. Nada aconteceu porque alguém estava certo de que “deveria”, aconteceu porque alguém estava certo de que queria tentar e o fez.

____

Traduzido pela equipe de O Segredo – Fonte: Mystical Raven





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.