publicidade

A banalização da morte em tempos de coronavírus!

Não podemos ficar omissos diante de mais 180 mil mortes por covid-19 no Brasil, onde o discurso da banalização da morte rompeu os limites sagrados do cuidado com a vida, do respeito aos mortos e do direito ao luto.



Essa é a maior tragédia sanitária da história brasileira, que negou as pesquisas científicas e que se transformou em uma “macabra” estatística de mortes diárias de idosos, adultos e jovens de todas as camadas sociais.

Parece que estamos apenas falando de números e não na morte de gente? Porque temos que ouvir discursos de que “é só uma gripezinha”, “todo mundo vai morrer mesmo”, “chega de mimimi” e “estamos vivendo um finalzinho de pandemia.”

Assim, a vida continua, com festas clandestinas, aglomerações desnecessárias e todo o tipo de afrouxamento de cuidados, como se tudo estivesse “normal”.

A verdade seja dita, que o discurso negacionista tem uma poderosa influência, que induz os indivíduos a contrariar as medidas sanitárias e se exporem ao vírus.


Porém, as pessoas que perderam um ente querido sabem da profundeza de sua dor, pois testemunharam a letalidade do coronavírus, que acabou com a esperança de milhares de famílias, que não puderam enterrar seus mortos, nem conseguiram realizar o rito de despedida. O luto não resolvido pode deixar feridas abertas e durar por muito tempo.

O discurso da necropolítica impediu o enfrentamento coordenado da pandemia e confirmou o desamparo que o povo sofre quando depende do Estado para solução de problemas emergenciais. E, agora, corremos o risco de entrar em uma briga política para conseguir tomar a vacina.

Essa desastrosa negação da ciência colocou a vida em segundo plano, que numa perspectiva histórica e necrófila causou milhões de mortes em pandemias do século 19 e 20, que traumatizaram o mundo.


Mas, em pleno século 21, não se aceita a morte de milhares de pessoas por negacionismo científico ou por imperativo necrófilo. É por isso que existem em todo país grupos, instituições e empresas – que agem em defesa da vida – e realizam a doação de máscaras, álcool em gel, alimentos, produtos de limpeza, etc.

Além disso, estamos valorizando quem está na linha de frente da pandemia: médicos, enfermeiros, psicólogos, garis, motoboys de aplicativos, jornalistas e todos os profissionais que revelam sua generosidade nestes momentos difíceis da crise.

No entanto, a luta contra a ignorância deve ser constante, pois é como disse o escritor Mia Couto: “A imbecilidade não será vencida no virar da folha.”

Para Mia, o medo não ajuda a vencer a mentira. Aliás, ele fundamenta a escolha de soluções messiânicas. É por essa razão que os salvadores do mundo adoram o medo.

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.