A carismática Maria Madalena



O filme Maria Madalena, dirigido por Garth Davis, é uma obra para refletir sobre os preconceitos criados no entorno dessa personagem na história bíblica. Não existe argumento teológico para defini-la como a meretriz agoniada, que clamou o perdão de Jesus, pois é fabulosa qualquer citação de que ela o tenha sido.

No contexto em que vivia Maria Madalena, as mulheres eram propriedades dos maridos. Elas estavam proibidas de tudo e submetidas a todos os tipos de punições e até à pena de morte. E nos séculos seguintes, grupos cristãos reduziram a participação feminina, seguindo a lógica patriarcal dos romanos.

Também foi criado um boato pelo polêmico Papa Gregório, que fantasiava Maria Madalena, como uma mulher possuída pelos demônios, e por ela ser uma mulher que abandonou “os bons costumes” para seguir um profeta, que vivia cercado por homens.

Hoje para mistificar ainda mais a biografia dessa jovem mulher, o escritor Dan Brown usou os textos apócrifos, que não têm validade historiográfica, para retratar Maria Madalena como errática, trazendo insinuações capciosas da relação de Madalena com o Nazareno.

Entretanto, Jesus – revolucionou o tratamento oferecido às mulheres, – uma vez que tinha entre os seus seguidores várias mulheres, e as mais conhecidas eram Maria de Nazaré e Maria Madalena. Por esse motivo, Madalena foi perseguida e vista pelos judeus como traidora e messalina.

O seu sobrenome dá uma dica de onde ela veio. Madalena significa de “Magdala”, uma vila de pescadores que ficava a 10 quilômetros de Cafarnaum, cidade que Jesus fixou residência, situada na margem norte do mar da Galileia, próxima de Betsaida e Corozaim.

Em busca de um novo modo de viver, que contestava as pressões da sociedade, da família e da misoginia de alguns apóstolos, Maria Madalena junta-se a Jesus em sua peregrinação. O carisma de Madalena, era inato, conseguia encantar através da sua forma de ser e agir.

Ela tinha uma amizade com Jesus, constituída de cuidado. Naquele tempo e hoje reina a visão machista de que é inadimissível – a amizade entres homens e mulheres, – mas existe, sim,  e está baseada no sentimento de lealdade e respeito.



É por isso, que Maria Madalena acompanhou o seu amigo no calvário, onde ouviu os seus últimos suplícios. Ela levou bálsamo para preparar o corpo de Cristo. Em outro momento, Madalena estava na parte de fora do túmulo, em prantos, debruçou-se para o interior do sepulcro e viu dois anjos, vestidos de branco, sentados no local que tinha estado o corpo de Jesus, um à dianteira e outro aos pés.

E os anjos lhe perguntaram: Mulher, porque choras? Ela falou: Porque levaram o meu mestre e não sei onde o puseram.  Então, ela voltou-se para trás e viu Jesus de pé, mas não o reconheceu. E disse-lhe Jesus:  Mulher, porque choras? Quem procuras?

Portanto, Maria Madalena era confidente e discípula de Jesus,  e foi  a primeira feminista de que se tem notícia na história, que testemunhou a crucificação e a ressurreição de Cristo. Assim, tornou-se uma mártir e sofreu perseguição por se recusar a renunciar à sua fé.

Em 2016, o nosso Papa Francisco confirmou a história dessa mulher, reconhecendo Maria Madalena como apóstola de Jesus. Atualmente ela é considerada santa pelas diversas comunidades cristãs e a festa em sua homenagem é celebrada no dia 22 de julho.  


Direitos autorais da imagem de capa: Divulgação do filme Maria Madalena






Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.