publicidade

A comédia e a tragédia da estupidez humana

Há poucos dias conclui a leitura do livro “As leis fundamentais da estupidez humana”, do  escritor italiano Carlo M. Cipolla, que aborda esse assunto tão atual e polêmico.

Cipolla nos ensina a entender como se orientam as práticas da estupidez humana. E neste artigo faço uma releitura das ideias do autor



A palavra estupidez vem do Latim stupidus, incapacitado, sem ação, de stupere, ficar pasmado, atônito, espantado, inerte perante algo extraordinário. Mas antes, o sentido original de estúpido era mentalmente inapto. Em seguida passou a falta de inteligência e hoje é usado no sentido de grosseiro ou mal-educado.

A estupidez humana tem como uma das leis fundamentais a falta de inteligência, que é o oposto de ser ignorante ou inculto. Essa característica pode ser atribuída às intervenções de grupos ou de pessoas, que manifestam a sua estupidez em discursos e comportamentos.

Esse conceito se refere também ao uso perverso do ato de julgar a tudo e a todos, porque a estupidez é uma espécie de “apagão” intelectual. É uma escuridão mental, que mistura o preconceito e a falta de conhecimento, transformando os pensamentos em coisas toscas ou tacanhas.


Os provérbios de Salomão, em 966 a 926 a.C., já nos alertava: “Até quando, ó estúpidos, amareis a estupidez? E até quando se deleitarão no escárnio os escarnecedores, e odiarão os insensatos o conhecimento?”

Na idade média foi possível reconhecer os “sete pecados capitais” e a estupidez humana ficou escondida nas “trevas” do inconsciente dos seus pecadores. Mas, o escritor Oscar Wilde ironizou ao escrever que não há nenhum pecado, exceto a estupidez.

A comédia se aproveitou da estupidez humana como fonte de divertimento. Os bufões eram personagens das sátiras, que faziam gargalhar os reis e seus cortesões. No teatro, os operários e camponeses debochavam das estripulias dos palhaços. Na atualidade, a estupidez ganhou um novo formato no seriado americano Homer Simpson e oferece muita munição às piadas dos humoristas.

Em nossas atividades cotidianas vamos nos deparar com as atitudes e conversas estúpidas, não no estilo do bufão ou do palhaço, mas na versão “modernosa” orientada pela tolice e a indelicadeza. Elas surgem, teimosamente, nos espaços e situações menos oportunas, querendo pautar a vida alheia, sobretudo, nas redes sociais.


Se ligarmos a televisão, lermos os jornais, ouvirmos as retóricas políticas, escutarmos a voz dos púlpitos e acessarmos a internet aparecerá a motricidade da estupidez humana, como um sintoma “tresloucado” da nossa sociedade líquida.

A tragédia disso, é que a estupidez humana tem o seu público cativo, pois persiste na sua ambição de causar males ou perdas aos desatentos. 

Assim as empresas, as famílias e as pessoas perdem dinheiro, tempo, energia, alegria e saúde, dando “Ibope” à estupidez.

Entretanto, as Ciências humanas, biológica e exatas desenvolveram-se para combater a estupidez humana, e nos fornecem as ferramentas do conhecimento – para neutralizar –  a estupidez, que é uma   seiva obscura, que impede o crescimento da felicidade individual e coletiva.

Enfim, o cientista Albert Einstein afirmava uma frase cômica e trágica:

“Só existem duas coisas infinitas, o universo e a estupidez humana; e, a rigor, ainda não estou bem certo da primeira”.


Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.