5min. de leitura

Como a comunicação com seu próprio corpo e o poder da intenção podem ajudar em sua cura

Tornou-se popular a crença de que nossos corpos possuem sua própria consciência e alma, e que ao absorvermos essa informação e a aplicarmos em nossas vidas diárias, podemos contribuir para nossa cura interior.


Existem alguns exemplos de pessoas que manifestaram bons resultados em suas vidas através desse ponto de vista. Citamos como exemplo nesse artigo Therese Wade.

Therese Wade é uma mulher que sofria de um sério transtorno de dor crônica. No entanto, ela percebeu que ao estabelecer uma comunicação sincera com o seu corpo, ele correspondia de forma positiva, ajudando em sua cura. De fato, um dos músculos de sua panturrilha que tinha sido diagnosticado com Distrofia Simpática Reflexiva, voltou a “funcionar” normalmente.

Para ajudar outras pessoas a encontrarem a cura, Therese compartilhou alguns passos de seu processo de conversação interna. Veja abaixo:

1. Identifique os estados de ondas cerebrais alfa e theta

Alpha é um estado relaxado e concentrado da mente. Ele ajuda a concentrarmos e sincronizarmos os dois hemisférios de nossos cérebros. É ideal para atividades que nos permitem recepção de informação, como a leitura.


Já a Theta é um estado ainda mais relaxado da mente, propício para memorização, criatividade e concentração para solução de problemas. Quando aprendemos a diferenciar esses dois estados, melhoramos a comunicação entre nossas mentes e corpos.


2. Tenha compaixão para com o seu corpo

Entenda que o seu corpo também possui sua própria consciência, desde às células que o compõe.


3. Demonstre-se presente para o seu corpo através de conversas internas

É importante dedicar um tempo para se comunicar honestamente com seu corpo e expressar seu desejo de um trabalho mútuo para que possam se curar e viver em sua melhor forma.



4. Mostre-se aberto a mudanças durante suas conversas

Esteja sempre disposto a ser espontâneo e aberto para diferentes emoções espontâneas.

Dessa maneira, você conseguirá se conectar melhor com seu corpo e obter respostas dinâmicas dele.


A intenção pode ajudá-lo(a) a curar seu corpo

Cleve Backster foi um pesquisador americano que durante 36 anos se dedicou ao estudo de bio-comunicação em células vegetais, animais e humanas.

Em seu trabalho, Backster fez uma descoberta semelhante ao que tratamos no início do artigo. De acordo com ele, para nos comunicarmos eficientemente com nossos corpos, precisamos de intenção, sintonização e espontaneidade.

Ele fez essa descoberta enquanto monitorava uma planta Dracaena em seu laboratório usando um polígrafo. Ele anexou os eletrodos a uma das folhas e pensou em maneiras de induzir um aumento na atividade elétrica na planta. Em nós, humanos, esse aumento está relacionamento a emoções intensas.

Em um momento, ele se imaginou queimando a folha na qual estavam os eletrodos, e nesse momento, a caneta de polígrafo disparou para o topo do gráfico, o que indica que a planta demonstrou uma reação ao seu pensamento. Ela demonstrou uma reação sobre a ideia de ser
queimada.

Backster, ao perceber isso, entendeu que a planta percebeu a sua intenção, e logo pegou uma caixa de fósforos. A planta demonstrava a mesma reação, intensa.

Ele decidiu guardar os fósforos em outro lugar, e a planta aparentemente se acalmou, porque o gráfico mostrou uma tendência descendente.

Ao fingir queimar a planta, Backster não notou nenhuma reação de sua parte, é como se a planta identificasse a diferença entre intenção real e artificial.

Além dessa descoberta, Backster também chegou à conclusão de que as plantas mostram uma certa conexão com aqueles que as cuidam, respondendo às suas emoções positivas e negativas.

A pesquisa de Backster é um indício de que nossa consciência está viva, sim, e que se conecta a nós de maneiras muito complexas, que a ciência ainda não descobriu.


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: goldnetz / 123RF Imagens





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.