5min. de leitura

A DANÇA DO MEDO NAS RELAÇÕES

O João chega a casa e cheio de boas intenções decide fazer uma  surpresa à Maria e mudar a  decoração do quarto de ambos. A Maria assim que chega a casa explode de raiva por o João ter mudado a decoração sem a autorização dela. O João a seguir culpa a Maria por ela não lhe ter dito que gostava de saber as coisas, minimiza a cena dela e é sarcástico para a fazer sentir mal. A Maria vai continuar a reagir de forma catastrófica, dramatiza o que aconteceu, crítica severamente o João e manipula-o para também o fazer sentir mal No fundo, o que está na base deste conflito foi o facto de o João se ter sentido envergonhado e que falhou como marido e a Maria se ter sentido invalidada ao ter sido deixada de fora de uma  decisão.  O  conflito  não  está  relacionado  com  a  situação,  mas  com  os  sentimentos  e medos que ambos têm em si mesmos.


Na  raiz  dos  conflitos  e  das  projeções  nos  outros  existe  um  medo  que  estamos conscientemente ou inconscientemente a evitar

A dança do medo, isto é os conflitos, começam a partir das tuas feridas. O que surge no início é uma dor ou um desconforto e a tua primeira reação será querer parar de sentir isso. Isto leva a que queiras que o outro pare de ter determinado comportamento para que não sintas o que estás a sentir. Na realidade, tu não queres mudar, queres ter razão e, por isso a tua motivação é  mudar  o  outro.  Ao  fazer  isso,  estás  a  iniciar  o  mesmo  processo  nele.  Ele  sente  dor  ou desconforto e reage a ti por estares a provocar isso nele.

Quanto mais  intensa  for  a  tua  reação  ao  que  sentes  e  a  tua  vontade  de  atacar  ou  mudar o outro, maior é a ferida emocional que tens e que aprendeste a negar.


Daí que seja tão importante compreender como te projetas no outro se tiveres coragem de olhar para isso. Já que, o que está na base de todos os conflitos é: isto não é sobre mim, é sobre  ti.  Isto  significa,  que  existe  uma  recusa  tua  em  querer olhar  para  dentro  e  que  te  faz culpar o outro pela origem da tua dor. A grande questão é que o outro pode ter provocado uma  resposta  emocional  em  ti,  mas  tu  és  a  pessoa  responsável  por  curar  a  ferida  que desencadeou essa reação.

Desenvolver  clareza,  auto-conhecimento,  compreensão  das tuas  forças  e  fraquezas  vai  ser  a tua  melhor  auto-defesa  perante  uma  projeção  e  a  tua  melhor  ferramenta  para  um relacionamento saudável com os outros.


Quanto  mais  entenderes  como  funcionas  e  como  a  tua  projeção  nos  outros  se  desenrola dentro de ti e fora de ti, mais serás capaz de ser líder de ti mesmo e mais estás a influenciar positivamente a consciência dos outros.

Quanto maior for o número de pessoas que se tornam lúcidas, mais é possível transformar  a doença  psico-espiritual  que  existe  na  psique  coletiva  da  humanidade  e  que  está  na  raiz  da violência no mundo.

O importante na dança do medo é compreender como ela acontece, que sentimentos surgem e que reações esses sentimentos originam. A partir dessa consciência tu ganhas poder.

Se não estás a viver os teus sonhos, é porque estás a viver os teus medos e a agir a partir das tuas crenças.

 

___

Clarisse Cunhaperfil

Curiosa, questionadora e irrequieta levanta-se todos os dias a pensar no que vai partilhar.

Comunicar com os outros tornou-se na porta de acesso à sua essência. Além de colaborar com O Segredo podes deixar-te inspirar pelas suas palavras no seu site (clarissecunha.com) e instagram (@cunhaclarisse).





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.