publicidade

A dor é a melhor professora da vida!

Quando nos deparamos com a dor da perda, da separação ou do fim de algo, somos obrigados a nos reinventar, a buscar novas alternativas de vida e de até sobrevivência.

Estive pensando nos acontecimentos e experiências passados da minha vida, nas histórias cotidianas que já ouvi e nos atendimentos que já efetuei, e hoje concluo que a morte é algo que nos ¨empodera¨ magnificamente.



Como? Explico: quando perdemos um ente querido, quando finalizamos um ciclo profissional ou amoroso, nós nos damos conta que o fim de algo nos traz uma oportunidade incrível de conhecimento, avaliação e de recomeço.

Sabe aquela frase “a dor é melhor professora da vida”, pois ela é verdadeira demais! Quando nos deparamos com a dor da perda, da separação ou do fim de algo, somos obrigados e nos reinventar, a buscar novas alternativas de vida e de até sobrevivência.

Estudos já comprovaram que muitos pacientes ao se darem conta de que a morte está a chegar ou que estão no fim da vida, arrependem-se de não terem amado mais, de não terem passado mais tempo com a família, das viagens que não fizeram, dos beijos que não deram e de coisas que, com certeza, o dinheiro não pode comprar. Tudo isso se chama VIDA!

Passamos a vida inteira muito mais preocupados em ¨ter¨ do que ¨ser¨, em suprir necessidades econômicas e os vazios na nossa existência se tornam abismos e buracos enormes dentro de nós, e vivemos uma vida tão no automático, que não nos damos conta do quanto o tempo passa.


E quando nos deparamos com a morte de alguém, a ¨ficha cái¨ do quanto insignificantes somos diante de tudo.

Ao ser demitido de um trabalho, muitos se sentem injustiçados e viram vítimas da sociedade e da economia do país.  Somente aquele que se autoavalia tem discernimento para concluir que não foi bom o bastante, que não deu o melhor de si ou que agora tem a chance de seguir um novo sonho ou projeto, de fazer realmente aquilo que gosta e também de estudar e aprimorar-se para reiniciar uma nova etapa, mais bem preparado e até feliz.

E quando uma relação amorosa se finda, seja ela de que tipo for, ficam sentimentos, raiva, tristeza, decepção, impotência e frustração.  E quando se acalma o coração vem a sensação da falta, mas a chance única de analisar se realmente era amor, ego ou acomodação ou concluir que tudo dá certo por um determinado tempo e se acabou. Aceitar o fim de forma amorosa é o melhor caminho para ambos.


Enfim, esses exemplos da vida de todos nós, são as chances de nos amarmos mais, de ver que, às vezes, perdemos tanto tempo dando significados maiores a coisas que, na verdade, são tão pequenas.

Aproveite a oportunidade de um término para recomeçar mais forte, de outra forma, com mais discernimento, buscando novas alternativas e se tornando mais ¨empoderado¨ nas atitudes que até hoje não teve.

Até no tarô, a carta da morte significa ¨fim de algo¨ e não morte física. E se há algo que você precisa matar dentro de si, então é chegada a hora do encerramento e abertura a novas possibilidades. Pois a vida continua sempre.


Direitos autorais da imagem de capa: wall.alphacoders / 75722

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.