ColunistasReflexão

A eterna busca sempre nos enriquece…

a eterna busca

Há alguns anos eu reencontrei um amigo que não via há muito tempo. Depois de algumas conversas, ele me disse que me via sempre numa busca, que parecia que eu estava sempre buscando algo.



Eu disse a ele que no dia em que não houvesse mais esta busca, não haveria mais porque existir.

Mais recentemente, conversando com outro amigo, esse também me falou de busca; da sua busca pessoal, que ele não sabe do quê, mas que é o que o move incessantemente.

Essa busca, a meu ver, é algo constante. Ela significa vida, movimento, evolução. Acredito que ela possa se manifestar em qualquer área de nossas vidas, mas ela vem sempre de dentro, de nosso interior, talvez de nossa alma. Ela é uma pulsação que não cessa. É um chamado que nos leva a um passo à frente. É uma inquietude saudável, que nos dá prazer e a certeza de que estamos vivos. Ela é a promessa de que há bem mais para desbravar, para descobrir, para assimilar.


No meu caso, eu me sinto sempre como se estivesse subindo uma escada, ou descendo. É como se eu adentrasse um labirinto, ou escalasse uma enorme, talvez infinita, montanha.

Eu sou uma pessoa inquieta; acho que é a inquietude do artista, daquele que cria, e também do buscador espiritual. Vejo esta inquietude em quase todas as áreas da minha vida, pois ela é a mola propulsora que move o meu ser.

Para mim esta inquietude é sinônimo de busca. Não busco porque sou inquieta, sou inquieta porque busco.

Por mais que minha vida pareça calma e por mais que eu seja uma pessoa feliz, estou sempre buscando, e talvez por isso que  eu seja feliz. Não é pelo fato de estarmos realizados dentro de várias áreas de nossas vidas, que não podemos buscar dentro dessas realizações. Claro que podemos! E é assim que a busca se dá, tanto para aqueles que estão realizados, quanto para os que não estão. E talvez o motivo pelo qual estes não estejam realizados seja, exatamente, porque ainda não perceberam que a grande realização é a busca, sempre…  Infinita, incessante, eterna busca.


Esta busca é uma necessidade de se expandir. Ela começa dentro de nós, mas pode levar-nos a expansões físicas, como a lugares novos, países diferentes, assim como a expansões sociais – conhecer mais pessoas, outros povos, outras culturas.

Não importa onde a nossa busca nos leve, ela está sempre agregando – pessoas, conhecimentos, novas habilidades, autoconhecimento, variadas experiências. E o mais importante: a eterna busca sempre nos enriquece.


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: sergezap / 123RF Imagens


Não é porque não há borboletas que não é amor

Artigo Anterior

As 7 coisas que afetam pessoas espiritualmente poderosas

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.