A felicidade tem nome: amor-próprio!

Eu guardei durante muito tempo uma caixinha com algumas fotos da minha ex-namorada, eu ficava no meu quarto uma boa parte do meu tempo admirando a sua beleza e alimentando um amor que hoje sei que era doentio.

Às vezes, somos tão fascinados por outra pessoa, que nem percebemos o papel de bobo que fazemos.

Já fiz muitas loucuras e achava que tudo aquilo era amor. Eu gostava de cuidar dela, amava buscá-la no salão, fazia surpresas, achando que iria arrasar e quem saia arrasado era eu.

Sem falar que adorava chegar na casa dela com o cabelo cortado, barba feita e aquele perfume que usava especialmente para ela; todo esforço para nada, não saia daquela linda boca nenhum elogio.

Também não tinha êxito nos presentes, pelo contrário, às vezes, causava brigas no relacionamento quando mandava buquê de rosas para ela em seu trabalho.

Na cabeça dela, tudo aquilo era para mostrar que ela tinha namorado e minhas atitudes eram ridículas, era o que eu ouvia todas as vezes que demonstrava o meu amor por ela.

Mesmo assim, ainda queria conquistar aquele coração. Foi quando decidi comprar uma aliança e pedí-la em casamento. Eu jurava que seus olhos brilhariam, que eu ganharia o seu mais belo sorriso, acompanhado com um “eu te amo”.

Infelizmente nada disso aconteceu, ela apenas me abraçou e disse que a aliança era linda. Deu-me um beijo e dias depois me devolveu a aliança, dizendo o adeus mais seco que recebi em toda a minha vida.

Fiquei triste, suplicando amor e implorando uma nova chance, e ela, como sempre, me desprezou.

Até que um dia eu mudei o foco. Queria viver uma nova história.

Para sanar um problema precisamos eliminar a causa dele. Comecei pela aliança, confesso que foi muito difícil vendê-la, mas o fiz, depois a caixinha com as nossas fotos e, por último, o seu contato, excluir o seu número do meu celular foi o mais difícil!

Voltei a sair com os amigos e, numa dessas saídas, conheci uma moça, totalmente diferente da minha ex-namorada. Ela tinha algo que sempre idealizei, o sorriso mais lindo que já vi, a doçura em seus olhos e a confiança em si própria.

Ela não mudou a minha essência, mas acrescentou um outro aroma a ela. Hoje eu recebo tudo que semeei no outro relacionamento e, ao contrário da minha ex-namorada, ela adora receber rosas em seu trabalho.

No dia em que eu a pedi em casamento, o seu sorriso foi diferente, ela olhou dentro dos meus olhos e com uma lágrima disse-me “eu te amo”. Eu mal conseguia colocar a aliança em seu dedo delicado. E todas as vezes que a olho dormindo, lembro-me daquele dia, daquela noite, daquele momento.

Hoje eu entendo que o mundo dá voltas, Deus é cuidadoso e não são todas as pessoas que ele inclui nos retornos.

Quando respeitamos o outro a nossa história muda.

Parece mentira! Quem conhece a minha história é capaz de falar que sou sortudo. De certa forma sou mesmo, ela é o milagre do meu coração!

Ela é a definição que levo comigo de amor-próprio.


Direitos autorais da imagem de capa: wallhere.com / 146227



Deixe seu comentário