4min. de leitura

A gente quer dar certo para ser exemplo para alguém

Quem de nós não quer chegar para alguém e dizer: “Eu fui, fiz e venci”?

Quantos livros, quantas histórias, vídeos, palestras, músicas falam em não desistir. Isto é intrínseco, faz parte da essência humana.  A gente quer conquistar, conseguir, realizar. Não apenas por algo que encerre por si só, mas por toda a história de fé, de persistência que podemos levar adiante para outras pessoas também.


Para alguém, em algum momento da vida queremos ser inspiração: filhos, pais, amigos, irmãos, colegas, alunos, nosso companheiro ou companheira, alguém que não acredita ou está desacreditando que tudo pode ser.

Existe uma força que nos move a isto, porque a mente inteligente que nos deu o desejo é a mesma que nos leva à realização deste desejo. Muitas vezes não sabemos ao certo o caminho e nos desencorajamos, sim, cobramos do mundo porque nos disseram que valia a pena e está demorando demais, contudo, desistir de vez parece algo impossível.

Pode ser que aparentemente a gente dê uma relaxada, entregue de uma forma que perde até o interesse pelo que tanto busca, mas lá no fundo algo diz que se tudo desse certo hoje seria tão melhor.


Para alguns é banal, um pouco irreal devido a certas condições pelas quais passamos, porém, se a gente acredita nesta força que move o mundo, que é o pensamento conectado com a Fonte, o desejo segue latente e não nos abandona.

Quem de nós não quer chegar para alguém e dizer: “Eu fui, fiz e venci. Não foi fácil porque resisti a muitas coisas e me desesperei, sentindo-me incompetente, não merecedor, mas num outro dia a vontade de continuar vinha à tona”? Sim, queremos contar nossa trajetória.

Nós passamos por poucas e boas enquanto construímos nossos sonhos, buscamos uma cura, um amor, enquanto planejamos uma viagem, uma mudança, o trabalho imaginado.

Quanta gente a fé estremeceu que abalou as próprias crenças? Entretanto, isto também faz parte para quem o pensamento em desistir esteja distante.


Não é a necessidade de uma atitude esnobe depois da conquista, mas uma alegria, um orgulho pelo fato de que o que se esperava tornou-se próximo, nosso, palpável.

Não se deixar levar pela dúvida alheia, enxergar longe enquanto muitos ainda estão construindo sua fé, estão dispostos a experimentar o que a gente experimentou, mas que ainda tropeçam em algumas barreiras. Neste momento uma entrega para que Deus arrume algo que está fora do lugar vale muito. E uma confiança infinita, mesmo que ela se apague em alguns instantes.

Muitos de nós pode entender de imediato porque algumas coisas não dão certo, porque a espera é longa, o trabalho é árduo, o sim demora, a grana é tão curta, o tratamento não dá certo, os desentendimentos perduram. Porém, aquele que compreende que tudo tem um fim vive um pouco menos inquieto.

Cada um sabe de sua história, dos altos e baixos ao lidar com sua fé, sabe dos limites ou nunca viu limites em nada. Para muitos, chegar em algum lugar, ter em mãos uma conquista desejada é uma questão de honra.

E que esta honra seja usada com exemplo, inspiração para os outros e para nós mesmos no próximo passo que vamos dar em nossa caminhada.


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: 123RF/Imagens





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.