A gente só faz pensar na pessoa. Isso é amor que fala, né?

Na dúvida, chame de amor e pronto.

O mundo caindo lá fora e a gente aqui dentro, escondido num pensamento bom, fazendo planos para logo mais à noite, querendo que o tempo voe e a pessoa chegue. É amor que fala.

É amor que fala, né? Quando a gente pensa em alguém e sente um frio de montanha russa no ventre, um calor de fogueira na alma e uma paz de domingo à tarde no coração. É amor que a gente fala.

O mundo caindo lá fora e a gente aqui dentro, escondido num pensamento bom, fazendo planos para logo mais à noite, querendo que o tempo voe e a pessoa chegue. É amor que fala.

Eu acho que é amor que fala quando a gente se pega pensando em alguém em hora insuspeitada. O chuveiro queima, a gente pensa. A comida chega, pensa de novo. A noite cai, o vinho sobe, o filme acaba, o mês começa, a banda passa, a loja fecha, o tempo abre e a gente ali, pensando em alguém como uma notícia boa.

A gente só faz pensar na pessoa. Isso é amor que fala, né?

Quando chove e acaba a luz, a gente abraça a pessoa se ela estiver perto e pensa nela de pronto se estiver noutro canto. Dá na gente um desejo inconsciente e involuntário de que ela esteja bem, a salvo da chuva, do vento, da escuridão. E é amor que a gente fala.

Sentimento bom dispensa títulos, anúncios, apresentações formais. Chega sem aviso. Nasce de repente. Rebenta numa felicidade e a gente não sabe que nome tem, não sabe que nome dar.

Deixe. Não precisa dizer. Mas aqui, entre nós, sem medo de errar, a gente sabe. É amor que a gente sente. Amor que a gente tem, amor que a gente dá.

Amor, sim. É amor que a gente fala.



Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: jovanmandic / 123RF Imagens



Deixe seu comentário