6min. de leitura

A importância de enxergar as coisas como elas são e não como gostaríamos que fossem

Todo ser humano é livre e deve ser o que quiser.


Um professor chegou à sala de aula e disse para os seus alunos:

– Hoje a nossa aula é sobre as cores, como elas se formam e como nós enxergamos as coisas, a vida, o mundo, enfim, o outro.

Um aluno que estava sentado na primeira fileira foi logo perguntando:


– Professor, é verdade que só enxergamos aquilo que queremos?

Depois de um breve silêncio, o professor bebeu um pouco de água, a temperatura estava muito alta naquele dia, na cidade, e, voltando-se para o aluno, respondeu:

Caro aluno, muito obrigado pela pergunta. Você sabia que em filosofia o importante é a pergunta e não a resposta? Sim, o sábio pergunta, enquanto o ignorante responde. Pergunte sempre! Quem pergunta aprende mais. Então, ver é apenas um aspecto físico que está ligado diretamente com o sentido da visão; enxergar é mais complexo, exige esforço.


Estimulado pelo professor, o aluno voltou a perguntar:

– Professor, eu posso ver e não enxergar?

– Claro! Enxergar exige uma atenção maior.

Depois de mais beber mais um pouco de água, o professor continuou:

– Para que possamos continuar a aula, quem pode me dizer quais são as cores primárias?

– Ora professor, essa pergunta é muito fácil, as cores primárias são: vermelho, verde e azul. Misturando essas cores, produzem-se novas cores, por exemplo, combinando vermelho e azul, forma-se o amarelo, e assim por diante.

– Parabéns, você está certíssimo! Você é muito inteligente!

– Caríssimos alunos – continuou o professor –, é importante observar que nossos olhos percebem uma parte das cores: do vermelho, laranja e amarelo até o verde, o azul e o violeta. Ou seja, nós vemos diferentes cores porque a luz de cada cor possui um comprimento de onda diferente.

– Explique melhor, professor, não entendi nada. – pediu outro aluno.

O professor respirou fundo, bebeu mais água e continuou.

– O vermelho tem o maior comprimento de onda e o violeta tem o menor. Alguns objetos, como os sinais de trânsito, emitem luz de uma cor particular, outros objetos são coloridos porque refletem a luz que incide sobre eles, absorvendo algumas cores e refletindo outras. Grama verde, por exemplo, reflete apenas a luz verde.

– Quanto mais o senhor explica, mais eu me complico. – insistiu o aluno.

– Eu também não estou entendendo nada. – disse outro aluno, que foi acompanhado por outras dezenas de vozes.

– É simples – prosseguiu o professor –, quando a luz branca incide sobre um objeto colorido, ele reflete cinco cores diferentes. Sob a luz vermelha, o verde e o azul aparecem pretos e as outras cores ficam vermelhas. Sob a luz azul, o vermelho e o verde aparecem pretos e as outras cores ficam azuis. Sob a luz verde, o azul e o vermelho aparecem pretos e as outras cores ficam verdes.

– Agora sim, estou entendendo – disse outro aluno.

– O que você entendeu?

– É que quando vemos um mundo colorido, é porque os nossos olhos percebem as cores refletidas ou produzidas pelos objetos.

– Muito bem, é isso mesmo! Uma rosa vermelha parece vermelha porque reflete essa luz aos nossos olhos. – falou outro aluno.

– Vamos, falem! Digam o que vocês estão entendendo. Quando falamos o que não entendemos, aprendemos duas vezes mais! – disse o professor.

– O branco é uma mistura de cores, e o preto, a ausência de luz. – disse outro aluno.

E a sala de aula tornou-se um ambiente de partilha, de aprendizagem mútua.

– Isso mesmo, esse princípio se aplica a tudo na vida, principalmente nas relações entre as pessoas.

– Dê-nos, então, exemplos concretos desse conhecimento. – pediu outro aluno.

Devemos olhar o outro como ele é e não da forma como queremos que ele seja. Todo ser humano é livre e deve ser o que quiser. Se agíssemos assim, deixando o outro ser do jeito que ele quiser, o mundo de hoje seria outro, não teríamos tanto preconceito, tanto ódio, tanta exclusão.

E, num discurso emocionado, com os olhos cheios de lágrimas, o professor concluiu a aula dizendo:

– Se eu ensinei algo para vocês hoje, foi isso: devemos olhar o outro como ele é e não como gostaríamos que ele fosse! Enfim, eu estou muito feliz com vocês. Aprendi muito! Vocês são os melhores alunos que eu já tive em toda a minha carreira no magistério. E viva a diversidade de opiniões! – concluiu o professor!

 

Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: 123RF Imagens.





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.