A paz interior é a sensação de que o mal não pode nos atingir. Permita-se sentir o que é bom!



A paz interior começa pela força do pensamento.

Toda vez que ouço falar em paz interior lembro-me do filme Kung Fu Panda. Mas, afinal, o que seria a paz interior? Dizer que ter paz é ter quietude, parece meio óbvio, mas, apesar disso, devemos ter ciência de que não é simples. Tudo porque a quietude depende da nossa mente e, consequentemente, dos nossos pensamentos.

E quem consegue calar aquela vozinha que alguns chamam de inconsciente ou voz interior?

Meditação, chás, músicas suaves, tudo é válido para apaziguar o cérebro, mas funciona? Precisa? Será que a quietude é mesmo silenciar a mente? Somos seres pensantes (teoricamente) e, deixar de pensar, fazer a mente parar de trabalhar, vai contra nossa natureza.

Por isso digo: “Paz interior é quietude, mas não é silêncio.” O que quero dizer com isso?

Se é difícil calar o inconsciente, talvez seja mais fácil treiná-lo para ter pensamentos bons, que nos proporcionem alegrias, amor, harmonia.

Resgatar uma lembrança boa é mais fácil do que deixar a mente como uma tela em branco. Todos temos boas lembranças, mesmo que sejam pouquíssimas.



A paz interior é a sensação de que o mal não nos atinge, é o prazer de saber que você consegue se lembrar das coisas boas, é a vontade de viver dia após dia, independente da dificuldade e do perigo que o mundo nos traz.

Quer paz interior? Sente-se, respire fundo e lembre-se do seu melhor momento: uma piada que lhe trouxe uma gargalhada, aquele beijo que lhe tirou o fôlego, aquela promoção merecida, o nascimento de um filho, seu filme favorito… qualquer pensamento que lhe faça bem.

Quer paz interior? Permita-se sentir o que é bom!


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: bialasiewicz/123RF Imagens.






Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.