publicidade

A pior saudade é daquilo que não vivemos

Estamos cansados de ouvir que a palavra “saudade” só existe em português. É intraduzível.

O Google a define como “sentimento melancólico devido ao afastamento de uma pessoa, uma coisa ou um lugar, ou à ausência de experiências prazerosas já vividas”.



Então, como é possível sentir saudade daquilo que não vivemos? Qual seria a palavra certa para esse buraco que sentimos no peito, ao pensar em tantas coisas que poderíamos ter vivido?

Aquele show que não fomos. A viagem que não fizemos. O final de semana planejado, mas que não passamos juntos.

Que palavra define aquilo que não aconteceu? A expectativa frustrada? A ausência de experiências prazerosas que poderíamos ter vivido?

É difícil continuar, seguir em frente, quando estamos presos a momentos que ainda não vivemos. Desapegar de memórias que não existem, mas que ainda esperamos viver. Por isso dói tanto, e não conseguimos seguir em frente. Porque queremos vivê-las! E é difícil abandonar algo que queremos tanto, que não tivemos oportunidade de viver, e que lá no fundo, sabemos que não vai acontecer mesmo.

Mas a verdade é que precisamos seguir nosso caminho. Construir novas lembranças, novas memórias, novas decepções.


Porque é disso que a vida é feita, altos e baixos, chegadas e partidas… uma montanha russa maluca e infinita!

E quando a gente para, perdemos a chance de viver coisas reais!

Queria muito trazer aqui uma fórmula mágica para acabar com esse sofrimento. Um sentimento tão forte que parece físico, e dá vontade de arrancá-lo com a mão de dentro do peito, queimá-lo, triturá-lo, de alguma forma garantir que vá embora para sempre. Apagar os pensamentos, deletar o desejo, mandar tudo embora em água corrente, ou reinstalando o sistema. Infelizmente, não é tão fácil assim.


E se eu pudesse dar um conselho, eu diria: chore, sofra, viva o luto. Sim, o luto é necessário, para que possamos enterrar as coisas de vez e seguir em frente, sem rancor, sem tristeza e sem fantasmas. Porque o amor tem que ser leve. E o que tiver que acontecer, tem que ser natural, fácil, gostoso.

Se o faz sofrer, não tem que ser para você. Se é difícil, também não. E se for para sofrer, que seja por memórias reais, bem vividas e muito bem aproveitadas!


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: 123RF / anatoliygleb

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.