publicidade

A psicologia budista nos ajuda a lidar com as emoções

Há 15 anos, eu era um workaholic, ou seja, um administrador estressado, e em consequência disso tive a síndrome de burnout. Essa experiência me transformou em um simpatizante da psicologia budista, que me ajudou a lidar com as minhas emoções e me levou a concluir a minha formação em psicanálise humanista.



A palavra inglesa “emotion” deriva da raiz latina “emovere”, uma força que coloca a mente em movimentação tanto para atividades danosas, neutras ou positivas. Nessa perspectiva a psicologia budista nos ajuda a lidar com os níveis das emoções na sua dimensão mental e corporal.

O budismo é uma das religiões mais antigas, atualmente, praticada por 200 milhões de pessoas em todo mundo. Ela chegou ao Ocidente na forma de psicologia, pois a maior parte das religiões asiáticas tem em seu cerne uma visão psicológica, que apresenta métodos práticos para ajudar os monges e leigos a buscar governar a mente para atingir um estado ideal.

Essas práticas ocorrem desde os tempos de Siddhartha Gautama, que tem sido fundamental aos seus discípulos e simpatizantes, onde a psicologia budista distingue as emoções entre as construtivas e as destrutivas. A emoção destrutiva é algo que impede a mente de comprovar a realidade como ela é, desencadeando pensamentos que nos condicionam a pensar, falar e agir de maneira intolerante.

Quando vivenciamos uma emoção negativa é no sentido de menos felicidade, menos bem-estar e menos lucidez, tendo como as principais emoções: ódio, desejo, confusão, orgulho e inveja. O monge budista Thich Nhat Hanh nos ensina que quando produzimos esses pensamentos, eles têm um efeito imediato em nossa saúde e na saúde do mundo.


O nosso desejo de ter sempre mais, tanto no plano material e no emocional, é a principal fonte de todas as nossas preocupações e desesperanças. A psicologia budista se baseia em aprender a viver com pouco e aceitar tudo aquilo que a vida nos dá no momento, entender esse processo nos proporcionará uma vida equilibrada, reduzindo as tensões internas.

Para a psicologia budista, a ignorância nos bloqueia em alcançar a felicidade e evitar o sofrimento. E a ignorância não é considerada uma emoção na cultura Ocidental, mas é um fator mental que impede a lúcida compreensão da realidade.

O orgulho é outro aspecto que nos faz sentir superior aos outros e no conduz a fazer avaliações errôneas das próprias qualidades e não reconhecer as qualidades de outrem.

A psicologia budista também nos ensina a não machucar os outros, oferecendo a máxima parecida com a expressão: “Não faça com os demais o que não gostaria que fizessem com você”. O que consiste em um profundo conhecimento de nós mesmos e numa grande empatia como seres humanos e seres sencientes.


Assim, a psicologia budista nos apresenta o caminho das emoções construtivas, como o desapego, amor, altruísmo, amizade, entre outras, uma vez que a nossa mente e corpo adquirem novas experiências a cada instante, porque estamos em fluxo de transformação constante.

É como disse Buda: Ninguém nos salva, a não ser nós mesmos. Ninguém pode e ninguém consegue. Nós mesmos devemos percorrer o caminho. ”


Direitos autorais da imagem de capa: pixabay sciencefreak-97947

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.