3min. de leitura

A vida é muito curta para não viver como realmente queremos

O que é ser uma pessoa alienada? É passar por essa vida sem um propósito definido, é viver sem um objetivo claro, é empurrar a vida com “a barriga”.


Uma pessoa alienada não tem perspectiva de nada, vive o presente como se não houvesse futuro, está sempre preso ao passado, sua vida é apenas um dia após o outro. Ela não pensa por si mesma, não tem ideias próprias, segue o fluxo, não pensa fora da caixinha.

Um alienado passa por essa vida sendo só mais um entre tantos, não deixa um legado, não tem história para contar, não se envolve em nada, não muda, não arrisca, não vive, apenas sobrevive.

Como diria Raul Seixas, um alienado fica “sentado no trono de um apartamento, com a boca escancarada, cheia de dentes, esperando a morte chegar”. E ainda, conforme o mesmo Raul, é preferível “ser essa metamorfose ambulante do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo”.


Viva, pense por você, quebre padrões, arrisque-se, lute pelo que você acredita, não siga o fluxo de outras pessoas, siga o seu. Siga o que o faz vibrar, siga o que faz o seu coração pulsar, apesar de todas as consequências.

Não precisa ser um mártir, um revolucionário, um egocêntrico ou famoso para se fazer um legado ou passar por essa vida de forma diferente de tantas pessoas, apenas dê um propósito real à sua vida, seja ele qual for.

Hoje vejo uma geração que segue o modismo, o fluxo, apenas por comodismo, por achar mais fácil seguir padrões por pura preguiça de começar a pensar e lutar pelo que se quer.


Se, para você, está bom seguir o fluxo, ok, mas, se não está, pergunte-se o que você realmente quer para a sua vida, se você tem objetivos claros e definidos para ela. E, quando os tiver, quando achar o seu propósito, quando descobrir aquilo que vai fazer você pensar fora da caixinha, apegue-se a isso e não deixe que nada nem ninguém o desmotivem.

O mundo precisa de mais pessoas que pensem por si só, que ousam, que vivem ao invés de sobreviver, que arriscam, que quebrem padrões que, acima de tudo, sejam genuinamente felizes.

A vida é muito curta para não viver como realmente queremos, para não seguir nossas paixões, mas padrões chatos e obsoletos. Let it be!

 

Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: 123RF Imagens.





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.