Comportamento

Abandonada pelo marido depois de amputar a perna, pernambucana assume a criação dos 4 filhos sozinha

A pernambucana Fabíola foi diagnosticada com trombose depois que seu filho caçula nasceu, mas a descoberta tardia fez com que sua perna precisasse ser amputada.



Somos ensinados a acreditar no amor romântico e eterno, sempre pensando nos contos de fadas e imaginando o príncipe ou princesa perfeitos. Mas quando nos deparamos com a realidade, percebemos que nem sempre é assim que as coisas acontecem.

A quantidade de mulheres chefes de família, encarregadas da criação dos filhos sozinhas, é enorme. Em muitos desses casos, os genitores nem sequer pagam a pensão a que a família tem direito.

Fabíola da Silva, de 30 anos, que mora em Recife (PE), foi diagnosticada com trombose na perna esquerda logo após o nascimento do quarto filho. Como os médicos souberam tardiamente da doença, foi preciso amputar o membro para salvar a vida da mulher.


A mãe de quatro crianças perdeu o pai em maio do ano passado, vítima da covid-19, enquanto gestava seu filho caçula. Fabíola contraiu o vírus, e uma semana depois do diagnóstico, começou a ter contrações e acabou dando à luz seu filho dentro de casa, ainda no oitavo mês de gravidez.

Pouco mais de duas semanas depois, Fabíola começou a sentir algo estranho na perna, aquela sensação causava muito incômodo, bem como a cor estranha do membro. A mãe não hesitou e procurou um médico, mas o diagnóstico de trombose foi descartado, sendo-lhe indicado procurar um especialista.

Direitos autorais: reprodução Instagram/@fabiolagabriel4377.

Alguns amigos a ajudaram e ela conseguiu fazer uma consulta particular, mas como não tinha renda suficiente, não pôde fazer os exames prescritos. Como ainda não havia solucionado o problema, Fabíola voltou para o setor público, onde novamente a trombose foi descartada. Porém, alguns dias depois, ela notou que seus dedos do pé começaram a infeccionar e ficar pretos, logo depois de cortar as unhas.


Assim que chegou ao hospital, Fabíola foi diagnosticada com trombose em sua artéria e precisou ficar internada por muitos meses. As amputações começaram aos poucos, primeiro os médicos tiraram seus dedos, depois uma parte do pé direito, sempre com sinais de que o sangue não estava chegando aos tecidos.

Teve alta, mas precisou voltar ao hospital porque sentia muitas dores, e os médicos logo perceberam que o sangue não circulava pela perna esquerda inteira, e precisaram amputá-la abaixo do joelho. Como não dispõe de renda para comprar uma prótese, a mãe perdeu a mobilidade, tendo de mudar completamente de vida, que era muito ativa.

Direitos autorais: reprodução Instagram/@fabiolagabriel4377.

Logo que Fabíola foi internada pela primeira vez, antes mesmo de ser submetida à primeira amputação, seu marido e pai dos quatro filhos, abandonou-a. Até hoje, quase um ano depois da cirurgia, ele nunca arcou com nenhum custo dos filhos, deixando-a completamente sozinha com as crianças de 8, 6, 5 e 1 ano.


Fabíola mora com a mãe, de 55 anos, e um irmão adotivo, que foi diagnosticado com autismo, teve o auxílio emergencial negado e precisa de ajuda para sobreviver. Na internet, organizaram uma vaquinha para que ela possa comprar uma prótese e recuperar sua mobilidade.

“Precisamos ficar juntos.” Professores pedem redução de carga de trabalho para cuidar da filha com câncer

Artigo Anterior

“Avó não foi feita para cuidar de netos.” Mulher de 61 anos deixou a família e curte a vida viajando

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.