Abraço… Um gesto tão simples, tão forte, tão intenso…

Acabo de ler no post em uma mídia social de um amigo perguntando  se “você já abraçou a pessoa amada hoje?”. Parei, olhei em volta e me abracei.



Abracei o corpo perfeito que me conduz por onde quer que eu vá. Abracei o coração que tem lutado arduamente para eu ser melhor a cada dia. Abracei o espírito que busca se renovar constantemente.

Me abracei demoradamente e respirei tranquilamente esperando que eu mesma me acalmasse do abraço recebido, afinal nos abraçamos tão pouco. Não é comum abraçarmos quem somos. Ao mesmo tempo que eu e meu corpo somos tão íntimos, no abraço somos distantes.

Abracei apertado e cheguei a fazer cosquinhas em minha própria cintura. Nossa, como adoro abraços! Se gosto de ser abraçada pelos amigos, marido e filhos,  imaginei o quanto gostaria de ser abraçada todos os dias por mim mesma, minha melhor amiga.


Me abracei e me desejei meus melhores votos. Meus melhores pensamentos. Meus melhores sentimentos.

Me abracei e me esqueci dentro do meu próprio abraço.

Lentamente me desvencilhei de mim. Sorri externa e internamente agradecida. Me senti leve e muito amada.


Sim, tenho a sorte de ser abraçada por pessoas que gostam de mim e os quais quero muito bem também. Tive o privilégio de ser muito abraçada por muitos que já mudaram de planos e outros tantos que foram importantes na minha vida. Mas, enquanto me abraçava percebi que era abraçada pela pessoa que mais me ama e me quer bem; que aceita meus erros e deslizes, assim como perde as noites de sono quando estou preocupada.

Fui abraçada e abracei quem mais torce pela minha boa sorte; por minhas realizações. Até poderia dizer que fui abraçada por quem me boicota (um pouco) algumas vezes, mas como não é de todo verdadeiro, sei que fui abraçada e abracei pela pessoa a qual mais devo cuidar.

E como resolução, decidi também me abraçar cotidianamente. Pode ser em qualquer hora do dia. Sozinha ou não, não importa. O que vão pensar, tampouco interessa. Decidi não deixar de me amar, me abraçar, me sentir e me corresponder.

Sei que na maioria das vezes me abraçarei em reservado, mas não será reservadamente. Será tão intenso quanto foi o abraço de hoje. Não posso aceitar menos de mim mesma.

Se houver música, dançarei. Se houver silêncio, orarei. Se houver chuva, entrarei nela. E se houver sol, que se dane não ter passado o filtro solar.

Um gesto tão simples. Tão forte. Tão intenso.

Sim, adoro abraços.

E você, já se abraçou hoje?

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.