5min. de leitura

Aceitei a minha solidão e me apaixonei por ela

Durante muito tempo eu fui aquela pessoa que abominava a solidão, pensava que era uma coisa negativa e que as pessoas que viviam dessa maneira deveriam estar passando por algum problema sério.

Afinal, qual é a graça de estar sozinho, quando você pode estar perto de pessoas que podem ajudá-lo a sentir-se bem e evoluir na vida?  Apavorava-me só de pensar em passar um dia em minha própria companhia.


Nunca fui uma pessoa que gostasse de fazer as coisas sozinha, sempre quis ter amigos e familiares por perto. Conforme crescia, sempre busquei um companheiro para ter ao meu lado, e quando as coisas não davam muito certo, eu era honesta e terminava, mas não demorava muito tempo até estar com outra pessoa.

No entanto, houve um momento em que fui confrontada com minha realidade. Depois de um acontecimento abrupto e inesperado, que não me deu a oportunidade de construir algum plano de escape, eu vi a solidão chegando mais perto de mim, sem me dar oportunidade de fugir.

No começo foi uma sensação muito ruim, eu estava em negação, sentia que estava vivendo da forma errada, contra a minha vontade.


Eu não conseguia aceitar minha realidade e estava, a todo momento, tentando fugir da solidão e encontrar alguma companhia. Aquilo para mim era como um castigo.

No entanto, mesmo nessa minha resistência, eu percebia que algo acontecia dentro de mim, apesar de um lado meu desesperado por companhia, o outro me incentivava a deixar as coisas acontecerem sem protestar, porque era exatamente disso que eu precisava para conquistar melhores coisas para a minha vida.

Fui confrontada a fazer essa escolha e não foi fácil, no entanto, resolvi agir de maneira diferente do que estava sempre acostumada. Ao invés de simplesmente fugir, resolvi dar uma chance de me conhecer melhor, descobrir através da minha solidão o que vive dentro de mim. E, hoje, depois de viver essa experiência eu posso dizer com toda a certeza de que foi a melhor decisão que já tomei em minha vida. Cada minuto em minha própria companhia me fez perceber que eu não sabia nada sobre mim mesma, e o quanto conhecer a mim mesma foi fundamental para manifestar a vida que eu mereço.

Antes de minha experiência com a solidão, eu nunca tinha dedicado tempo para falar comigo mesma, entender meus desejos, sonhos, objetivos de vida. Não sabia porque me dava tão bem com algumas pessoas e sentia alguma rejeição natural por outras, eu realmente não entendia nada sobre quem eu era.


Como a solidão não foi uma coisa nutrida desde a infância, eu cresci acreditando que sempre precisaria ter alguém ao meu lado para ser completa e feliz.

No entanto, assim que aceitei a minha solidão, eu percebi que tudo aquilo que eu sempre busquei no meu exterior estava dentro de mim. Então, desde esse momento, eu mudei meu comportamento, percebi que não preciso de ninguém além de mim mesma para ser feliz. Quanto mais eu amo e respeito a mim mesma, mais saudável será minha vida e meus relacionamentos.

O melhor de tudo é que a solidão não fez eu me isolar do mundo. Muito pelo contrário, ela me ajudou a me curar internamente, e me possibilitou enxergar meus relacionamentos de outra maneira. Assim, eliminei aqueles que não me faziam bem e preservei os que me tornavam uma pessoa melhor. Agora, eu atraio para a minha vida pessoas com a mesma sintonia, que me oferecem companheirismo, amor, liberdade e lealdade.

Eu me tornei amiga de minha solidão. Quando ela aparece, eu a recebo de braços abertos, com a certeza de que, não importa quanto tempo fique, ajudará a tornar minha vida muito melhor. E você, já fez amizade com a sua solidão?


Direitos autorais da imagem de capa: Tim Mossholder / Unsplash





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.