Notícias

Proibido pela mãe de jogar em celular, adolescente é tomado pela raiva e ateia fogo em casa

Com informações da polícia, o garoto de 13 anos tentou agredir a equipe e pegar a arma de um dos militares. O cômodo da casa ficou destruído



A permanência de crianças e jovens em celulares e vídeo games se torna cada vez mais crescente no atual momento que vivemos. A tecnologia já faz parte da realidade de muitas famílias. Hoje em dia é bem mais fácil adquirir internet e os dispositivos celulares e tablets não mais comuns do que há anos atrás.

Consequentemente, o comportamento das crianças e adolescentes veio mudando. A comunicação entre pais e filhos foi se tornando ainda menor devido a quantidade de tempo que passam na internet.

A adolescência é a fase da vida caracterizada pela construção da identidade do indivíduo. Além de mudanças físicas, há também a mudança comportamental.


Entre os 11 aos 19 anos, o corpo passa por muitas transformações, hormônios vão sendo produzidos em grande escala e isso acarreta em atitudes mais grosseiras vindas dos filhos.

É o período de maior desavença, onde as imposições e regras dos pais passam a ser incômodas para eles, sendo motivo de discussões e brigas. Porém, quando há um desequilíbrio grande dessas emoções, é necessário intervenção profissional.

Em um município de Goiás, um adolescente de 13 anos colocou fogo na própria casa após ser impedido de jogar em seu celular. Com informações do G1, o garoto agrediu a equipe e tentou pegar a arma de um dos policiais no local. A sala da casa ficou completamente destruída pelas chamas.

A mãe relatou que não deixou que ele ficasse no celular para jogar, já que não concordava com o jogo de tiros que o menino gostava. Depois da proibição, ele teve um acesso de raiva, pegou álcool e fósforos e ateou fogo no cômodo.


Embora a atitude seja extremamente preocupante, a mãe do adolescente disse que essa não foi a primeira vez que ele demonstrou comportamentos de rebeldia e agressividade. Tanto que quando a polícia chegou ao local, ele teria dado chutes e socos nos militares e precisou ser algemado, alternativa para conter o desequilíbrio do garoto.

Após a situação, o Conselho Tutelar foi chamado para averiguar a investigação. O menino foi levado para a delegacia. Um boletim e ocorrência foi registrado e o adolescente liberado. Mesmo assim, o caso estará sendo acompanhando.

Qual a sua opinião sobre o comportamento agressivo do adolescente?

Comente abaixo e compartilhe esse texto com seus amigos em suas redes sociais!


Fabrício Carpinejar faz linda e emocionante homenagem a Paulo Gustavo

Artigo Anterior

Mulher visita antiga patroa e acaba vivendo 9 meses em condições análogas às de escravidão

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.