Comportamento

“Adotar não é uma caridade”: Giovanna Ewbank fala sobre racismo e o quanto aprende com a maternidade

Os comentários maldosos e preconceituosos que ouve por ter adotado Titi e Bless causam desconforto no casal Gio e Bruno, que em momento algum enxergam a atitude como um “ato caridoso”.



A atriz e apresentadora Giovanna Ewbank surgiu na televisão brasileira em 2007, quando entrou para o elenco de Malhação. Depois desse papel, sua carreira seguiu na emissora Globo, onde fez novelas e também atuou como apresentadora de programas, como TV Globinho e Vídeo Show.

Em entrevista à GQ, a atriz revela que foi apenas após a chegada dos filhos Titi e Bless que passou a viver fora da “bolha” pessoal. A adoção de duas crianças negras fez com que Gio integrasse, junto com seu marido Bruno Gagliasso diversas pautas do movimento antirracista e ambientalista.

Em suas redes sociais, Ewbank constantemente desabafa sobre racismo e a violação dos direitos humanos, utilizando o tema para enfatizar sua preocupação com o futuro de seus filhos. Para ela, todos já estão fartos de assistir a uma estrutura que pune e tortura pessoas negras e pobres, silenciando e intimidando a maior porcentagem da população brasileira.


Giovanna ainda se revela extremamente contra a “política de morte” e o “fascismo”, que colaboram com grande parte dos discursos racistas presentes em nossa sociedade.

Ela e o marido ainda explicam que a adoção não pode nem deve ser encarada como um ato de caridade, e que presumir que eles adotaram seus filhos por essa razão machuca e fere os sentimentos da família.


 



Ver essa foto no Instagram




 

Uma publicação compartilhada por Giovanna Ewbank (@gioewbank)

Para Giovanna, a luta é urgente. Sem abordar pautas como racismo e violência da população mais vulnerável, não existe futuro para as crianças. É importante também se posicionar, sempre que possível, publicamente sobre essas questões, já que apenas através delas é que algum impacto positivo surtirá na sociedade.

Além do casal Titi e Bless, a atriz ainda é mãe de Zyon, único filho biológico do casal. A filha mais velha já foi vítima de ataques racistas nas redes sociais ao menos duas vezes.

A primeira partiu de uma pessoa anônima, mas o casal prestou queixa na polícia da mesma forma, e a segunda foi perpetrada pela socialite Day McCarthy, que utilizou sua conta pessoal para ofender a menina por conta de sua cor. Gio e Bruno informaram que também não deixariam a situação sem um desfecho, e registraram um boletim de ocorrência.

O racismo é um preconceito que acompanha o Brasil desde a época em que era colônia portuguesa, já que grande parte da mão de obra escrava, que construiu o país, veio do continente africano. Mesmo após a abolição da escravidão, em 1888, o racismo nunca deixou de ceifar vidas. O casal sempre se posiciona publicamente contra a atual política do país e também acredita que a população deva proteger as vidas mais vulneráveis.

O que você achou do posicionamento da atriz?

Comente abaixo e compartilhe nas suas redes sociais!

“Sonhos se tornam realidade”: jovem de 18 anos realiza o sonho de estudar em Harvard!

Artigo Anterior

Cães acompanham gari deficiente em turno da madrugada: “Eles cuidam de mim”

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.