ColunistasComportamento

Agosto violeta: semeando perdão, colhendo paz…

Se a gente já tivesse a prática do perdão na nossa vida, se cada um de nós fizesse a sua parte nas relações, mantendo a empatia, a ética, a amorosidade, não precisaríamos estar criando dias específicos para o que deveria fazer parte do cotidiano.



Mas, já que não fazemos e vivemos num momento de maior violência, insegurança, desesperança, no dia 30 de agosto foi instituído o Dia Nacional do Perdão pela Lei 13.437/2017 e no mês de agosto todo temos o movimento Agosto Violeta, cujo intuito é de promover a reflexão ao perdão, seu benefício à saúde, ao bem-estar, e consequentemente, promover a Paz.

Você perdoa? Será que realmente perdoa? Como saber?

Se você dá muita importância ainda ao fato ou à pessoa que diz que perdoou; se você, quando lembra do fato ou da pessoa tem alguma alteração física, algum desconforto; se você tem necessidade de criticar, relembrar… então, não perdoou!



Talvez algumas crenças limitantes estejam atrapalhando você!

Vamos ver?


  • Você acredita que, se perdoar, estará abrindo as portas para que alguém, ou algo, o machuque de novo?
  • Você acredita que não possui mágoa, que não é vingativo, que não precisa perdoar?
  • Você acredita que é preciso ser uma espécie de monge, ou pessoa muito evoluída para conseguir perdoar de verdade?
  • Você não se acha capaz de perdoar?

  • Você tem a crença que só o tempo se encarregará de curar suas mágoas?

Todas essas crenças podem levá-lo a adoecer, a desperdiçar boas relações afetivas, a perder amigos, a não aproveitar oportunidades na vida…


Estudos demonstram que, cada vez que nos recordamos dos acontecimentos que tomamos como imperdoáveis, nosso organismo reage quimicamente a essa lembrança como na primeira vez, aumentando a pressão arterial, os níveis de cortisol, que é o hormônio do estresse. Além de demonstrarem também que, a longo prazo, os ciclos de raiva, mágoa, ressentimento, podem estar associados ao surgimento de doenças cardiovasculares, diabetes e câncer.

O que o perdão faz é nos dar a capacidade de deixar o passado para trás. Quando perdoamos, recuperamos nosso bem-estar, nossa autoestima, nosso amor-próprio e nossa leveza de vida. Vivemos uma vida mais plena, feliz e saudável, mesmo com e apesar de tudo que nos aconteceu.

De acordo com pesquisadores da Universidade do Tennessee nos Estados Unidos, as pessoas tendem a se sentir menos hostis, irritadas e chateadas quando param de se vingar e perdoam.

Veja quantos benefícios o perdão traz para nossa vida!


  • Melhora o humor;
  • Aumenta a imunidade;
  • Cria e amplia o foco e a atenção;

  • Melhora as relações de forma geral;
  • Aumenta a autoestima e a autoconfiança;
  • Abre nossa mente favorecendo a criatividade e tomada de decisão;
  • Amplia a capacidade de aprendizagem;

  • Reduz as doenças que vem do stress, como ansiedade, depressão, gastrite, fibromialgia, entre outras;
  • Aumenta o rendimento escolar;
  • Constrói e amplia a resiliência, a capacidade de lidar com a frustração;
  • Desenvolve o senso de propósito de vida;

  • Melhora muito a qualidade do sono;
  • Aumenta significativamente nosso nível de satisfação com a vida;
  • Baixa a pressão arterial;
  • Reduz a compulsão alimentar.

O perdão põe fim ao desgaste causado pelo ódio crônico, que estimula a produção de hormônios de estresse, como o cortisol, que perturba o sono, aumenta o risco cardiovascular, de depressão, de ansiedade e traz muitas doenças psicossomáticas como gastrite, fibromialgia, enxaqueca.

Estudos da Universidade de Harvard mostram, que apenas 10% da nossa felicidade depende do mundo externo e 90% depende apenas da forma como você enxerga os acontecimentos.

Vamos enxergar diferente? Vamos mudar e começar a perdoar?

Com certeza perdoar é um ato de inteligência emocional, faz bem para nosso organismo, faz bem para nós.

Grande abraço!

Isabel

__________

Direitos autorais da imagem de capa: gregmack / 123RF Imagens

10 coisas que as pessoas não esperam que você faça porque você é “bonzinho”:

Artigo Anterior

6 verdades transformadoras que me permitiram amar a mim mesmo(a):

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.