Comportamento

“Ainda não!” Pink não deixa a filha de 10 anos ter um celular por conta do vício tecnológico

Capa Ainda nao Pink nao deixa sua filha de 10 anos ter um celular por conta do vicio tecnologico

A cantora falou sobre as complexidades do acesso ao celular e suas tecnologias por uma criança como sua filha, por isso acredita não ser o momento de a menina ter um smartphone ainda.

Como muitos pais, a cantora Pink estabeleceu regras bem claras sobre os seus filhos poderem ou não ter um telefone. A estrela vencedora do Grammy diz que não vai deixar a filha Willow, de 10 anos, ter um. Pelo menos, por enquanto.

Em entrevista ao portal de notícias Today, a dona de hits falou sobre as complexidades do uso da tecnologia, dizendo que até para adultos existe um lado bom e um ruim do uso dos celulares, por isso ainda não se sente confortável em deixar sua filha ter um smartphone.

Mesmo estabelecendo essa regra dentro de casa, Pink disse que sua filha já nota que os coleguinhas usam os aparelhos celulares e conta para a mãe. A cantora, no entanto, permanece firme na sua decisão, dizendo que isso não a abala.

Pink, que também é mãe de Jameson, de 5 anos, deixa claro que não é totalmente contra a tecnologia quando se trata de seus filhos, pois os pais não podem ser como “dinossauros”, eles precisam se adaptar aos novos tempos e seguir em frente.

2Ainda nao Pink nao deixa sua filha de 10 anos ter um celular por conta do vicio tecnologico

Reprodução Instagram / @pink

Seu entusiasmo com as formas como a tecnologia pode nos ajudar fica claro em sua colaboração com o aplicativo de meditação e bem-estar Calm, para o qual ela gravou um trio de histórias para dormir.

Enquanto Pink construiu uma carreira como estrela do rock que aparentemente nunca fica sem energia, é uma história diferente em casa, quando ela está tentando fazer com que seus filhos relaxem.

Ela conta que a rotina doméstica é muito mais calma do que os fãs pensam, por isso colaborar com o aplicativo de meditação pareceu algo natural na sua trajetória. A cantora admitiu que já usava o aplicativo havia anos, mesmo antes da parceria, por isso ela se interessou muito em participar da nova empreitada, um aplicativo de mindfullness para crianças. Ela testou suas histórias de dormir com os filhos antes de enviá-las para a Calm e, é claro, sua participação foi um sucesso.

Mesmo não sendo a maior defensora de que as crianças engajem tão cedo nas tecnologias, a cantora entende como necessário o mundo high tech para elas pois, caso queiram ouvir uma história à noite, para dormir com a imaginação aflorada, ficar mais calmas ou não se sentir sozinhas, o celular é uma excelente ferramenta. Ela aprova esse tipo de uso da tecnologia, sem sombra de dúvidas.

Pink está acostumada a entrar no estúdio de gravação para produzir álbuns de sucesso, enquanto seu novo empreendimento demonstra seu afastamento disso. Como cantora, sua energia gravando visa à agitação da plateia, enquanto no aplicativo de meditação, a estrela usa a voz para canalizar a calma.

Ela disse que o foco da nova empreitada é desacelerar, falar com serenidade. Embora esteja gostando de sua nova fase, a cantora falou que ainda está se acostumando com algumas das mecânicas do trabalho, como quando precisa imaginar a criança pegando no sono para narrar suas histórias.

Ela já aprendeu que o tom de sua voz deve ser calmo e sereno, e que o conteúdo da história não pode ser muito agitado, afinal o objetivo é fazer com que os pequenos peguem no sono.

Enquanto pode fazer trabalho com a Calm, à noite, Pink está ansiosa para retomar seu trabalho diurno se apresentando para grandes públicos. Ela não faz turnê há três anos em decorrência da pandemia, mas já está anunciando datas para o seu glorioso retorno, e já se sente mais do que pronta para brilhar fazendo o que ama.

0 %