4min. de leitura

Alguém em sofrimento deve aceitar e acolher este sentimento, para que possa superá-lo

Pelo direito de sofrer.

Toda vez que temos algum problema, algum incômodo, alguma angústia, ou qualquer situação ou sentimento que nos cause sofrimento, podemos achar que conversamos com alguém buscando muitas coisas, talvez até muitas respostas.


O que realmente precisamos, no entanto, é muito simples: sentir que somos compreendidos, genuinamente, ouvidos e acolhidos.

Infelizmente, no entanto, não é sempre que isso acontece. Para exemplificar isso, vou ajudá-lo a pensar nessas frases que você certamente já escutou, e pode até já ter dito a alguém:

  • “Esse seu problema não é nada perto do meu, deixa eu lhe contar.”
  • “Mas pelo menos você tem tantas outras coisas para fazê-lo sentir melhor.”
  • “Isso é bobagem, você não deveria se sentir assim por tão pouco.”
  • “Não acredito que você está sofrendo por causa DISSO.”

E a mais clássica de todas:

  • “Mas por que exatamente você está assim? Você tem tudo!” 

Se você ainda não captou o que há de tão errado nessas frases pronunciadas de forma tão corriqueira, eu explico: basicamente, implicam em uma pessoa desmerecendo o sofrimento de outra.

Em um sentido mais amplo, demonstram falta de empatia, presunção de alguém ao achar que sabe profundamente sobre os sentimentos de outra, e mais ainda, que tem o direito de dizer a esta pessoa como ela deve se sentir, e que seus sentimentos estão ERRADOS.


Sim, entendo que a pessoa que manifesta essas palavras pode ter boas intenções, pode desejar apresentar outro lado da história, mas eu garanto: não é por aí. Uma pessoa que está sofrendo, ao contrário do que muitos acreditam, não escolheu se sentir daquela forma.

Ela não possui o botão “desligar sofrimento”, ou certamente já teria apertado.

Além disso, um dos meus maiores aprendizados como terapeuta é de que nada que envolve o ser humano é “preto no branco”. Tudo, desde pensamentos, emoções, crenças, até escolhas de vida, tudo isso é sempre mais complexo do que aparenta. Assim, essa complexidade naturalmente se aplica ao sofrimento de alguém: é possível que pareça que uma pessoa está sofrendo por “algo pequeno”, mas aquilo pode estar batendo em experiências suas de vida do passado, em crenças, em traumas, em emoções que nem mesmo ela compreende.

E, para mim, chegamos finalmente ao ponto mais importante de todos: alguém em sofrimento deve aceitar e acolher este sentimento, assimilá-lo e trabalhá-lo dentro de si, para que, então, possa superá-lo.

Dessa forma, no momento em que você escuta de alguém que o que sente é bobagem e acredita nisso, perde a chance de trabalhar esta questão dentro de si, de desenvolver seu autoconhecimento e superação de si mesmo (a).


Assim, convido você a pensar sobre as vezes que já pronunciou essas frases, e se talvez você poderia ter sido mais empático (a), de fato, propondo-se a escutar o que alguém tinha para lhe dizer.

Pense também nas vezes em que você já escutou alguém lhe dizendo isso, e mais ainda, acreditou.

Pense se você também já desmereceu seu próprio sofrimento, não se respeitando, nem escutando a si mesmo (a) ou aos seus sentimentos.

Se esse for o caso, busque começar a se livrar desses julgamentos, críticas e cobranças. Busque ser mais amoroso (a) consigo mesmo (a), aceite a si mesmo (a), e aí sim, as coisas vão mudar.


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: gal2007 / 123RF Imagens





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.