8min. de leitura

Almas conectadas, pensamentos interligados, e uma imensidão a desvendar…

São 4 da manhã, Luís ainda não dormiu, e gostaria de ter com quem conversar. Levanta, toma um café, ouve música, pega o celular. Abre a conversa com Rafa; ela poderia estar acordada, mas não, não está. Na verdade, sua última visualização foi antes da meia-noite.


Do outro lado da cidade, Rafa acorda assustada. Sonhou com Luís. No sonho, ouvia sua voz pedir por socorro. Ela se levanta, esfrega os olhos e pega o celular. Quando a ligação é atendida, a voz rouca do outro lado não esconde a surpresa.

Oi Rafa… Engraçado, pensei em você agora a pouco… Queria conversar”.

Nossos corpos são morada de almas, e essas almas se reconhecem pela energia que transmitem.  

Com certeza você já se deparou com alguém da qual não gostou ao primeiro olhar, e mesmo tentando, insistindo em fazer dar certo, não rolou. A culpa não é da sua falta de empatia; na verdade, a culpa é do excesso dela.


Da mesma forma, vez ou outra surge em seu caminho alguém que parece conhecer tudo que há em você como a palma da própria mão. Alguém que parece saber a hora exata de estar por perto, e também a hora de afastar-se. Estranho perceber como quando vocês estão juntos, não há dores de cabeça, nem meias palavras. Há apenas a sensação de estar conversando com alguém que sempre esteve ali, antes mesmo do primeiro olá.

E o mais interessante é que mesmo à distância esse ser é tão próximo de você. Quando você quer conversar, ele surge, e traz de volta todo aquele excesso de conversa que rola fácil, como se antes de conversar um ensaio fora feito. E quando você pensa que não tinha medo o tal João de Santo Cristo, ela termina cantando em voz alta que era o que todos diziam quando ele se perdeu.  E automaticamente, sem rodeios, sem palavras a mais, vocês se olham, riem, e você diz: caramba! Eu estava pensando nessa música!”, e a outra pessoa apenas concorda, como se tivesse lido seus pensamentos naquele instante.


Ou ainda quando sem motivo algum você sente o cheiro de um bolo que acaba de sair do forno, mas ao seu lado não há bolos, nem padarias, e isso lhe parece estranho. Porém, alguns minutos depois, sua mãe lhe envia uma mensagem dizendo ter feito um bolo para que juntos vocês tomem café.

Outro dia falava com meu amigo pelo chat, e ele, feliz, contava sobre seu novo curta-metragem. Antes mesmo de qualquer detalhe da obra ser informado, eu o disse que havia imaginado várias borboletas azuis.

E como num passe de mágica, simultaneamente à minha mensagem, a dele foi enviada, avisando-me sobre a presença de borboletas azuis no enredo. 

Apesar de parecer mera coincidência, eventos como este revelam que estamos seguindo o caminho certo. Nossas vidas estão exatamente onde devem estar naquele instante. A comunicação entre você e o universo é efetiva, e sua atenção a ele lhe permite perceber os constantes sinais enviados na forma de susto, que depois torna-se em sorriso, gargalhada e memória boa.

E os sinais não se limitam apenas a eventos, coincidências e respostas vindas de correntes pelo whatsApp. Os frequentes vestígios deixados em nosso caminho também englobam ações, pensamentos e pessoas.

A conexão entre pensamentos ocorre quando almas que vibram na mesma energia se reconhecem. 

Algumas doutrinas afirmam que esse reconhecimento deriva de experiências vividas em outro plano, e há também as que compreendem que tudo faz parte de um reconhecimento previsto para acontecer e cruzar os caminhos.

E este fenômeno não ocorre por acaso, ou mera peça do destino; na verdade, o intuito é nos trazer uma mensagem. Quando as auras não batem, a mensagem é uma espécie de “aviso de perigo”, como um instinto primário de que aquela situação não é favorável. Porém, quando as auras se projetam uma para a outra, recebemos uma luz no caminho, e dificilmente essa luz se apagará.

Almas destinadas a caminhar juntas, permanecerão conectadas, mesmo que à distância. No âmbito sentimental, há a popularmente chamada “química”, que é nada menos que uma sintonia entre as vibrações. E essa sintonia permanecerá reverberando, ainda que os abrigantes sigam caminhos diferentes.

E a química não deve ser desperdiçada, deixada de lado, ou simplesmente esquecida. Quando amamos revelamos uma natureza que nós mesmos não conhecíamos, e isso é fundamental para a transformação de nossos egos. Neste campo minado chamado de amor, haverá dificuldades, desafios e limites capazes de trazer à tona seu lado mais sombrio. Estando na superfície, todo o acúmulo de negatividade poderá ser transformado em luz.

No Japão há uma lenda que diz que todos nascemos conectados por um fio vermelho. Um dia, as extremidades do fio se encontrarão para formar um laço. Enquanto o laço não se formar, o fio poderá emaranhar-se, criar nó e até mesmo enroscar em obstáculos, mas nunca há de se romper. Porém, quanto mais afastada uma extremidade da outra, mais tristes estarão as almas interligadas.

Não desperdice suas conexões; não deixe prestar atenção nos avisos enviados pelo universo. Se há muitos conflitos ao seu redor e aparentemente a energia do lugar é pesada, porque isso não lhe pertence. 

Da mesma forma, se você pretende trocar de emprego e várias oportunidades estão surgindo em seu e-mail, é hora de enviar currículos.

Não tente se conectar a quem não vibra na mesma sintonia que você; não perca a vida toda à procura de energias maiores que a sua. Permita-se encontrar no caminho quem lhe entrega palavras de consolo, quando você não houver desabafado. Abrigue em você quem lhe faz vibrar (por dentro) e por fora, e sua caminhada será mais leve.  Termine seus assuntos do passado, olhe nos olhos que você já conhecia de algum lugar, repita aquele nome que você já ouviu uma vez, mas não sabe onde.

Quando uma alma se conectar a sua, não rompa a conexão; pelo contrário, torne-a mais forte.  

__________

Direitos autorais da imagem de capa: Andreus / 123RF Imagens





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.