Comportamento

Aluna de 10 anos se nega a responder a questão de matemática que comparava peso de duas meninas

Essa menina deu um grande exemplo de empatia e respeito pelo próximo. Confira!



As crianças são conhecidas por viver em um mundo “particular” e não ligar muito para as problematizações do mundo dos adultos, tendo a espontaneidade como uma de suas características mais marcantes.

Em muitas situações, elas não veem maldade, falas e comportamentos. Mas existem algumas crianças que parecem possuir maturidade e senso de certo e errado que vão além da pureza de sua idade.

Esse é o caso de uma menina de 10 anos, chamada Rhythm. O Today contou sobre uma atitude bastante particular diante de uma situação considerada “normal”, mas que deu luz a uma parte especial de sua personalidade.


Uma noite, enquanto fazia sua tarefa de matemática, a menina se deparou com uma questão que chamou a sua atenção. O enunciado dizia: “A tabela à direita mostra o peso de três alunos da 4ª série. Isabel é muito mais pesada do que o aluno mais leve?”

Direitos autorais: arquivo pessoal.

Rhythm logo se indignou com a questão, imaginando que poderia ofender as meninas com corpo similar ao da mostrada na atividade, que já poderiam sentir-se inseguras com seus corpos.


Então, ela chamou a sua mãe Naomi Pacheco para ler a pergunta e disse que não a responderia, porque era algo “errado”.

Ela só resolveu a conta, mas não se manifestou sobre o peso da menina ilustrada na questão. Depois disso, Rhythm circulou a pergunta, desenhou uma seta apontada para ela e escreveu: “Desculpe, não vou responder isso, é rude”.

Direitos autorais: arquivo pessoal.


Ela também escreveu uma cartinha para a professora explicando os seus motivos. O bilhete dizia: “Cara Sra. Shaw, não quero ser rude, mas não acho que o problema de matemática foi muito bom porque julgou o peso das pessoas (…) eu simplesmente não acho isso legal”.

Entrevistada, a menina disse que, se aquela pergunta estava em sua lição de casa, também poderia estar nas outras pessoas, e ela achava errado. Ela também contou que a professora conversou com ela sobre o ocorrido e demonstrou estar do seu lado.

Segundo Naomi, a professora realmente foi bem receptiva, tratando a questão com o cuidado necessário e compreendendo a recusa da menina em escrever a resposta.


Direitos autorais: arquivo pessoal.

O programa curricular responsável por elaborar a questão se manifestou sobre a situação.

O diretor disse ao Today que é grato pelo retorno recebido, desculpou-se pelos desconfortos e ofensas, afirmou que substituirá a questão em reimpressões e ainda sugeriu que os professores ofereçam uma questão substituta aos alunos.


Naomi e o pai de Rhythm dizem se orgulhar da filha, por perceber o potencial ofensivo da pergunta para outras meninas e “defender o que é certo”. Segundo a mãe, “somos todos lindamente feitos para ter formas e tamanhos diferentes”, e perguntas comparativas “fazem mais mal do que bem para a autoestima e a imagem corporal”.

Eles ainda esperam que o caso da filha incentive adultos a crianças a conversarem sobre o tema, para que haja mudanças.

O que você achou d a atitude da menina?


Deixe um comentário abaixo e compartilhe o texto em suas redes sociais!

Mulher que vendia balas no sinal, enquanto filha ficava em caixa de papelão, é surpreendida com doações!

Artigo Anterior

Dar limites a seu filho desde cedo não é ser “rígido”, é educá-lo para ser um bom ser humano!

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.