Comportamento

Alunos criam cadeira de rodas adaptada para pai realizar o sonho de carregar o próprio filho!

Foram 10 alunos do ensino médio que se empenharam em tentar mudar a condição de Jeremy, que não conseguia carregar o filho bebê com segurança em sua cadeira de rodas.



Cada vez mais, a iniciativa de alunos para criar elementos e soluções para problemas do dia a dia tem se mostrado eficiente e de extrema importância para a sociedade.

São crianças e jovens que usam o tempo que têm para ajudar as pessoas que mais precisam, normalmente em atividades extracurriculares. O engajamento dos estudantes na comunidade sempre é algo digno de elogios, principalmente porque eles serão cidadãos que se importarão com o próximo.

Em Maryland, nos Estados Unidos, um grupo de 10 alunos do ensino médio garantiu que um pai com deficiência, que usa cadeira de rodas para se locomover, realizasse o sonho de carregar seu filho recém-nascido em segurança. Jeremy King, de 37 anos, precisou passar por uma cirurgia para retirada de um tumor no cérebro, há três anos, o que acarretou dificuldades de locomoção.


Em junho de 2020, ele e Chelsie, sua esposa de 32 anos, descobriram que esperavam um filho, mas ficaram se questionando como fariam para carregar a criança de forma dividida. Em reportagem ao jornal Good Morning America, a mãe explica que, embora o marido consiga andar, ele não pode fazê-lo com segurança carregando uma criança.

O casal começou a pensar em estratégias para que Jeremy fosse um pai mais ativo na criação do filho, mas percebeu que no mercado não havia quase nenhum recurso disponível para pessoas com deficiência, o que o deixou ainda mais frustrado. Chelsie King decidiu pedir ajuda a Matt Zigler, professor de uma escola da região, que realiza atividades extracurriculares com seus alunos.

Direitos autorais: reprodução/arquivo pessoal.

A mulher pediu a Zigler para inventar algo que ficasse preso à cadeira de rodas de Jeremy. Na instituição de ensino onde Matt trabalha, ele leciona uma disciplina chamada Making for Social Good (em tradução livre, “Fazendo o bem para a comunidade”), onde os alunos precisam desenvolver produtos e soluções que terão um impacto social positivo.


Matt tentou oferecer aos alunos todas as ferramentas de que eles precisariam, então fez entrevistas com a família King, para que compreendesse o problema, depois, chamou um integrante do corpo de bombeiros local para explicar ao grupo como funcionam as cadeirinhas infantis. A partir daí, cada aluno deveria tentar desenvolver uma solução, primando pelo resultado.

Direitos autorais: reprodução/arquivo pessoal.

Cada um desenvolveu as próprias ideias para o encaixe na cadeira de rodas e depois puderam modelar em 3D como seriam. O professor recebeu os projetos e reduziu as possibilidades em apenas duas, explicando que eles tratavam do mesmo problema de maneiras sutilmente diferentes.

Matt dividiu a turma em duas equipes e cada uma trabalhou em um dos projetos: o WheeStroll Stroller Attchment era capaz de conectar um assento infantil à cadeira de rodas, e o WheeStroll Stroller Connector conectava um carrinho inteiro à cadeira de rodas.


Os testes feitos pelos alunos foram excepcionais, principalmente porque se preocupavam não só com a segurança do recém-nascido, mas também em como a invenção funcionaria com o passar dos anos. Por isso testavam o peso com blocos de concreto, buscando alternativas para um produto que acompanhasse o crescimento da criança.

Direitos autorais: reprodução/arquivo pessoal.

Assim que Chelsie e Jeremy viram o resultado, ficaram maravilhados. Ele conta que se sente sortudo em ter feito parte do processo de criação desses alunos e que isso realmente mudou sua vida. Em relação aos alunos, eles também adoraram participar do projeto. Quanto ao professor, ele vai continuar ajudando a comunidade.


Pernambucano, filho de faxineira, é aprovado em 9 universidades dos Estados Unidos

Artigo Anterior

“Não somos mães velhas”: mulheres que tiveram filhos depois dos 35 se dizem “mais preparadas”

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.