AmizadeColunistas

Amizade: preconceitos e prepotência…

AMIZADE PRECONCEITOS E PREPOTÊNCIA capa e dentro

Amizade: assunto difícil, pouco popular nestes tempos; termo inflacionado, esbanjado, desfrutado, gasto, mal-empregado.



Todavia, para mim, importante, importantíssimo, tomado na sua dimensão autêntica, original, primordial.

Na verdade, nunca chamei de amiga uma pessoa que não conheço e que não amo profundamente.

Muito menos confundi o conhecido, o simpático, o atraente, o estimado, o companheiro, o irmão, com o amigo.


Escrevo sobre a amizade porque ela, para mim, na sua dimensão madura e responsável, é fonte de regozijo e de sentido. Não é privação, figa, costume, coisa do cotidiano, normalidade, comodidade ou interesse.

É uma capacidade.

É o lugar onde se pode beber a vida das suas mais internas, profundas e misteriosas raízes.

É um lugar de milagre, é um lugar para desfrutar da vida.


Dessa forma a amizade é uma contínua viagem interior, fascinante, mesmo se dolorosa.

Para que se alcance a dimensão daquilo que entendo por amizade, é necessário polir o próprio coração dos mecanismos perversos da personalidade, que mistificam, tiram a responsabilidade, tornam impossível o relacionamento com a verdade, logo consigo mesmo, com os outros, com o mundo, com Deus.

Ser verdadeiramente amigos significa despertar continuamente para uma nova vida.

A verdadeira amizade faz o outro crescer, torna-o autônomo e independente.


Ser amigo não significa suportar o outro.

Não significa sufocar o outro.

Não significa fechar-se com o outro.

Não significa possuir o outro.


Não significa controlar o outro, mas torná-lo livre e aberto para a vida, além de nós, sem nossa presença.

Renovar é preciso, mas não ande sem combustível!

Artigo Anterior

Angústia nos finais de ano e em datas específicas. Por que quase sempre isso acontece?

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.