Amizades, assim como relacionamentos amorosos, exigem tempo, dedicação, empatia

Amizades não simplesmente acontecem.

Em tempos virtuais, é muito comum a gente começar um contato no virtual, passar a ter uma convivência física eventual e não desenvolver a relação, seja amorosa ou mesmo de amizade (mas achar que desenvolveu!).

Muita gente diz que a culpa é das redes sociais. Que elas nos afastam. Mas vamos aprofundar nosso questionamento.

Será que é mesmo o Facebook que o afastou das pessoas ou você começou a colocar menos esforço nas suas relações, pela facilidade do contato no virtual?

A proximidade que o contato virtual dá é facilmente confundida com profundidade. Não é um click e pronto, fiz download de toda sua história de vida e agora consigo entender claramente suas motivações e seu ponto de vista, 100% do tempo.

Contato físico e presencial exige esforço – ponto. Mas as pessoas nem sempre estão a fim de colocar essa energia para desenvolver suas relações. Ambos os envolvidos em qualquer relacionamento têm seu histórico, seus valores, sua lente de ver o mundo. E se a gente restringir esse contato ao virtual ou à superficialidade, esta relação nunca vai ter chance de crescer.

Então será que o problema são as mídias sociais e a internet, ou como nós agimos e socializamos enquanto usuários destas tecnologias?

Não dá para criar a expectativa de que um relacionamento só virtual vá ter a profundidade de algo que foi construído. Não dá para ter amizade profunda, se na primeira dificuldade real você abandonar o barco, ficar apegado ao seu ponto de vista. Amizades, assim como relacionamentos amorosos, exigem tempo, dedicação, empatia e abertura para discutir os pontos de atrito.

Mas e quando você está disposto a investir numa relação e trabalhar os pontos cegos e o outro não?

Por mais que doa, temos que aceitar que, talvez, para a outra pessoa, essa não fosse uma relação importante. E está tudo bem, porque nem todos querem ter relações mais profundas, nem todos têm afinidade com a gente. É um aprendizado doloroso, mas temos que abrir mão do nosso egoísmo de querer que as pessoas sejam nossas amigas.

A impermanência é uma das leis que regem nosso mundo. E, de repente, essa pessoa que você queria se relacionar, mudou, cansou, não quer mais ou simplesmente magoou-se contigo, mas não quer dar a chance para esta relação. Interessante refletir se o fato de você ter se magoado não significa que essa relação já teve algum significado para você.

E se ela teve significado, merece ou não a oportunidade de se fortalecer com a crise e seguir? Não tem certo ou errado, só você pode saber o quanto quer investir em cada um dos seus contatos.

Relacionar: a raiz da palavra já nos ensina. “RE” vem de fazer de novo, “LACIONAR” vem de laço, de enlaçar, envolver. Relacionamento é enlaçar novamente. É um movimento. E cabe a cada um de nós decidirmos se queremos ficar em movimento ou na nossa zona de conforto.

Amizades não simplesmente acontecem, elas são construídas.



Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: 123rf / wavebreakmediamicro



Deixe seu comentário