ColunistasRelacionamentos

Amor de verdade nunca é pela metade ou em doses homeopáticas!.

AMORDEVERDADE FOTODECAPAEFOTODEDENTRO

Se não existir um mínimo de vontade de se entregar e de entrar na realidade do outro, a coisa vira uma sequência de relacionamentos casuais permeados por algum carinho e um fio de amizade.



Amor de verdade nunca é pela metade ou em doses homeopáticas!

Sim, cada um tem uma maneira de amar. Uns amam com mais suavidade. Outros amam com mais passionalidade. Algumas relações são mais intensas. Outras são mais serenas e ternas. Existem também as igualmente ternas. Sim, cada um tem uma forma de sentir e expressar o amor. Cada casal tem um jeito de se comunicar e de vivenciar o amor.

Porém, amor de verdade nunca é pela metade ou em doses homeopáticas. Ser suave e terno não é o mesmo que ser morno ou indiferente. Ter uma relação mais calma e baseada na amizade não é o mesmo que viver uma relação mais ou menos, sem comprometimento, sem real interesse pelo parceiro.


Independente do jeito particular de cada casal viver a relação, toda parceria afetiva verdadeira envolve uma boa dose de comprometimento. Comprometimento com os sentimentos do outro. Comprometimento com as regras estipuladas pelo próprio casal. Sem um código em comum, sem um mínimo de coordenadas para seguir, a relação tende a se restringir à amizade colorida. E da amizade colorida despenca para o nada.

Se não existir um mínimo de vontade de se entregar e de entrar na realidade do outro, a coisa vira uma sequência de relacionamentos casuais permeados por algum carinho e um fio de amizade.

Hoje temos medo de assumir qualquer tipo de compromisso. E quando falo compromisso, não me refiro a casamento. Refiro-me ao comprometimento natural a qualquer relação que significa perceber que quando estamos com alguém, embora sejamos seres individuais, precisamos pensar e decidir uma série de coisas a dois.

Precisamos levar em consideração o outro quando vamos tomar decisões, pois muitas das nossas escolhas, atitudes e palavras interferirão diretamente ou indiretamente na vida do outro. Muitas das nossas escolhas, atitudes e palavras interferirão na imagem do outro.


Em tempos de redes sociais, expor o parceiro afetivo é uma das coisas mais simples de se fazer. Por exemplo: alguém que namora e que faz piadas regulares e maldosas sobre namoro, deixa claro para o seu círculo de amizade que o seu relacionamento não é satisfatório. É uma forma pseudo inocente de ridicularizar o parceiro.

Um homem ou mulher que flerta com amigos e colegas do parceiro afetivo vai muito além da infidelidade. Faz algo bem pior: deixa de ser leal. Muitas vezes, o que mais machuca não é traição corporal, mas a afetiva. Mais do que isso. É a traição da cumplicidade, pois expor negativamente o seu parceiro é algo extremamente nocivo à relação.

O amor proporciona sentido e cor à vida. Sem ele, tudo fica meio solto, à deriva.

Porém, como tudo de mais importante que existe na vida, ele exige uma boa dose de austeridade e capacidade de se adequar, compreender e fazer sacrifícios.


A melhor maneira de se desculpar é mudar o seu comportamento

Artigo Anterior

Eu sou de sagitário…

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.