9min. de leitura

Amor-próprio: sobre sentir-se completo e amar quem você é

Hoje decidi escrever sobre um assunto recorrente em redes sociais – amor-próprio. Sinto que esse assunto, muitas vezes, é tratado como um clichê, com algumas receitinhas que não trazem nada e não levam a lugar algum.


Eu demorei muito tempo, anos mesmo, para tomar consciência do que de fato é o amor-próprio em meu dia a dia. Para mim, até bem pouco tempo atrás, falar sobre esse assunto era uma grande hipocrisia, pois eu sabia explicar direitinho sobre o tema, mas passava longe de mim sentir mesmo o que era.

Quando pensei em escrever sobre o assunto, pedi ao Criador que me ajudasse a encontrar as melhores palavras, e que fosse possível descrever, com sinceridade, como foi (e está sendo) meu processo, minha construção.

A verdade é que não nos foi ensinado nada a respeito de amor-próprio, muito menos sobre o amor em sua forma mais genuína. Com isso, um assunto como esse requer profundidade e entrega.


Papo com uma amiga

Vou começar contando um papo que tive com uma amiga um dia desses. Após essa conversa, tive uma intuição de que deveria dividir isso com mais pessoas, pois são poucas as que teriam acesso a essa informação, já que seria necessária uma grande tomada de consciência.

Pois bem, essa querida amiga passou por muitos relacionamentos abusivos, perdas e términos desastrosos. Ela possui registros frustrantes em seus últimos relacionamentos afetivos e, com isso, tornou-se uma mulher insegura, com uma autoestima baixíssima.


Ela iniciou um namoro, recentemente, e está vivendo uma fase de muita angústia e medo. Sim, pois está traumatizada com tudo que já viveu em relações anteriores. Realmente é doloroso viver uma relação com a expectativa negativa, pensando em mais uma frustração. Eu vivi isso na pele algumas vezes, e sei bem o caminho que ela está percorrendo.

Parece que esse novo namorado trouxe a ela uma esperança de que algo será diferente daqui para frente, e com essa nova expectativa veio também um grandioso medo de entrar em mais uma furada, medo de ser rejeitada novamente, medo de uma traição, ou qualquer outra merda possível de acontecer. Afinal de contas, ela está traumatizada, e um coração traumatizado tem medos reais para se entregar.

Eu respirei fundo e enquanto ouvia seu relato desesperado, pedi ao Criador que me inspirasse naquele momento, já que ela confiou a mim contar tudo o que estava acontecendo. Em meio a nosso papo, ela pediu minha opinião e ajuda para que pudesse se livrar desses sentimentos que a estavam aterrorizando naquele momento.

E você? Já passou por algum relacionamento abusivo?

Voltando para minha própria história…

Eu demorei muitos anos para chegar a essa conclusão, chorei muito e passei noites em claro por rejeições e frustrações. Sei o que é esperar ansiosamente que uma relação dê certo, não só me coloquei em seus sapatos como descrevi a ela exatamente como foi para mim.

Passei anos da minha vida com um coração vazio, falta de amor-próprio e autoestima baixíssima. Neguei por várias vezes a minha vontade de estar em uma relação, já que acreditava que isso pudesse ser angustiante.

Mendiguei amor e atenção inúmeras vezes, mas hoje tenho consciência, não era somente por eles não saberem expressar isso a mim, ou pela falta de amor e carinho que tinham, mas isso era algo que, definitivamente, faltava em mim também: eu cobrava que alguém oferecesse a mim algo que eu mesma não me oferecia.

Você já cobrou de alguém insistentemente amor, carinho e atenção? Inconscientemente você cobrou do outro que preenchesse os vazios que existem dentro de você, mas ó quem pode preencher esses  vazios é você mesmo.

O processo é pesado. Enquanto você não tiver internamente o amor e respeito de que necessita, continuará cobrando e mendigando isso dos outros. Assim como eu fiz, assim como essa amiga está voltando a fazer.

Sei que dói ler isso, a gente não quer ouvir/ler que está fazendo algo errado. Mas a verdade é que não adianta: amor-próprio tem a ver com autoaceitação, não interessa o quanto você discuta com esta ideia.

Anote isso e pratique…

É impossível amar algo/alguém sem compreender e aceitar esse algo/alguém tal como ele é, e isso vale COM A GENTE MESMO.

Sim, nossas mentes que mentem dirão o contrário: que somente nos amaremos “quando” isso e “se” aquilo, “contanto que” aquilo outro. Não se deixe enganar: se existe algo na sua vida que ainda não recebeu espaço dentro do seu coração, se existe uma única parte sua que se encontra segregada, separada das demais, porque por algum motivo não é considerada merecedora de fazer parte do todo: não existe amor-próprio nem aqui e nem em nenhuma outra parte do globo terrestre.

Se existe dentro de você uma parte vazia, com buracos e oca, não será algo ou alguém, alguma condição ou situação externas que preencherão isso. Então CHEGA de fazer isso com você, chega de buscar mais uma vez fora todo esse preenchimento. Não é fora que se busca, MAS DENTRO!

Faça um propósito por você.

A partir de agora, ocupe-se em acolher e receber em seu coração TODOS OS VOCÊS que existem, ocupe-se em preencher-se de si mesmo, aceitando-se. Eu sei que é complicado, eu sei que não é lendo um texto como esse que você tomará consciência num piscar de olhos. Mas, por favor, PARE um minuto para respirar e SENTIR. Chega de PENSAR no que precisa ser feito, este é o seu momento de SENTIR. Sentir o que está faltando em você, sentir onde de fato dói, onde de fato falta, e aos poucos compreender como você mesmo pode preencher isso.

Não adianta entrar em mais uma relação, não adianta fugir de uma nova relação, não adianta emagrecer, comprar roupas novas, viajar, pintar o cabelo… CHEGA! Não adianta.

Chega de procurar do lado de fora o preenchimento de seu vazio. Enquanto estiver buscando sua outra metade, encontrará somente pessoas pela metade, MAS NUNCA ALGUÉM INTEIRO.

Enquanto não se sentir inteiro, você só encontrará metades e mais metades, ninguém que possa de fato ser alguém para somar em sua vida.

Invista toda sua energia em compreender, acolher, aceitar e amar cada um dos seus “defeitos” para, enfim, experimentar o que é de fato amor-próprio.
Ocupe-se somente disso nesse momento. Acredite: é um passo fundamental na sua vida

Depois você pensa em outras mudanças e/ou melhorias. Antes, SOMENTE SEJA, pleno e irrestritamente. Isso sim é amor: SER, sem limites.

Foi com muita energia de amorosidade que disse tudo isso a ela, e agora escrevo a você. Passei por isso, e não ensinaria um caminho do qual eu não havia experimentado.

A construção de amor e respeito próprios pode demorar a acontecer, pois precisa de consciência e aceitação, mas é um caminho de grande aprendizado. Conhecer a si mesmo é tão maravilhoso e transformador que você compreenderá que sua melhor companhia é a sua. Entenderá que ter alguém ao seu lado é soma, transbordamento, MAS NUNCA CONDIÇÃO de felicidade.

Que seu caminho e construção sejam leves, profundos e genuínos. Lembre-se de SENTIR, apenas SENTIR é o que o ajudará a trilhar o caminho do amor-próprio.

Caso queira compartilhar sua história, faça isso nos comentários abaixo. Sinta-se à vontade!

Com amor, graça e leveza,

Queli


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: danakeli / 123RF Imagens





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.