publicidade

Amor significa tolerar muitas coisas até que ponto?

Para ter um relacionamento amoroso duradouro, precisamos tolerar muitas coisas. Mas até que ponto?

Como achar o equilíbrio entre não ser fútil, pulando fora no primeiro sinal de dificuldade, e se torturar, preso em um relacionamento sofrido?



Vamos abordar este tema aqui.

Assista aos vídeos:


Há um tempo fiz um vídeo falando sobre o amor e o que seria “viver um grande amor”. Veja:

O vídeo gerou uma certa polêmica. Lá falei assim:

“O amor real se manifesta em suor… em servir. Dá trabalho. O amor mesmo é você aguentar a pessoa quando é chata, sustentar quando está para baixo. Mudar sua vida para servir a do amado. Isso é amor. A fantasia não se sustenta. As aparências se perdem com o passar do tempo, os atritos se acumulam e as demandas aumentam. Em muitos casos vêm os filhos e, com isso, um monte de novas e intensas demandas e desafios. Aguentar isso juntos é amor.”


Teve uma turma que não gostou. Uma espectadora, escreveu assim:

“Achei estranho você falar isso! Não temos que aguentar ninguém nos destratando, não, por amor nenhum. Muito ao contrário.”

Pude ver então que não me expliquei bem. Enfatizei no vídeo a importância de aguentar, de ser firme e fiel, mas não toquei num ponto no qual toco sempre: amar-se, cuidar-se e afastar da sua vida as pessoas que não lhe servem, que trazem um “saldo” negativo em sua vida.

O ponto chave é reciprocidade. O tanto que vai é o tanto que volta. Equilíbrio no relacionamento.

Sua entrega, o tanto de esforço que coloca para manter o relacionamento, tem que ser o mesmo tanto que o outro está colocando. Se não, fica desequilibrado.

Um parâmetro importante é tal do pedido de desculpas. Quantas vezes você pede desculpas e quantas vezes tem que se desculpar? Se é só você que desculpa, algo está errado.

Quanto esforço você faz para agradar e servir o outro? Quanto que o outro faz para você? Se fica muito diferente, algo está errado.

Ninguém tem que aguentar um relacionamento desequilibrado, injusto, assim. Com sabedoria, com perdão, com tempo, precisa ver se o relacionamento realmente serve para você.

Trate de buscar o caminho do meio. Nem cair fora no primeiro sinal de dificuldade – vivendo uma sequência de relacionamentos de no máximo dois anos-, nem ficar anos e anos a fio sofrendo, sendo miserável no relacionamento, desperdiçando sua vida, arruinando seu bem-estar.

Então esse é o equilíbrio: dedicar-se, suar, aguentar… mas obedecendo o parâmetro de reciprocidade. Assim poderá experimentar um relacionamento transformador e significativo.

O foco inicial é saber viver bem. Você precisa se cuidar. Mais do que isso, precisa se aprimorar e se autorrealizar.


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: 123rf.com / art2435

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.