O SegredoReflexãoRelacionamentos

Amores fracos não merecem o meu tempo

Eu tava numa festa e já era hora de ir embora, tava tocando música de ir embora e tava todo mundo com cara de que a gente deveria ir embora. Tocou aquela da Anitta com o Projota, nem adianta torcer a cara, você deve saber qual era. Ouvi dando um passinho pra cá, outro pra lá, amores fracos não merecem o meu tempo. Apaguei em casa uma hora depois.



Sabe, eu nunca achei que amor poderia ser fraco. Se era amor, era um baita dum cometa atravessando a gente sem aviso de chegada. Era o nosso apocalipse zumbi sem resistência, nosso Resident Evil com final feliz – e sem Umbrella Corporation que estrague tudo. Era a coxinha-salvação-do-final-da-balada que ficava bem na esquina com a praia, dava pra ver o sol nascendo mesmo com os olhos ardendo da lente de contato. Era aquele trem que vai matar um dos dois em alguns minutos se o outro não se jogar na frente. É tudo isso.

Acho que entendo a Anitta porque talvez não fosse amor. Talvez fosse alguma outra coisa, ou ela não entendeu que amor é uma memória fixa que cutuca e faz a gente gaguejar quando vê a tal pessoa. Eu gaguejava o tempo todo quando você falava com outro cara, gaguejava quando você tava no Brasil e eu tava na Argentina, gaguejava até quando conheci o seu segundo namorado depois de mim. Não é questão da gente ter durado tanto tempo ou não, sei que tempo nenhum afastaria a gente nesse sentido.

Se o tempo afastar a gente, será que o nosso amor foi fraco demais? Mesmo com tudo isso, com o sentimento de que você tem um lugar aqui dentro que ninguém toma, mesmo sabendo que outros amores virão, mas conquistarão outros espaços fora desse. Esse aqui é só seu. Amores serão sempre amáveis. Se o tempo afastar a gente, acho que não era amor. Amor fica, a gente talvez não. Mas o sentimento é impossível de ser apagado da gente.


Você vai ser sempre uma pessoa bonita que coloriu uma parte de mim, feito tatuagem em aquarela num lugar especial. Vai ser aquela pipoca com caldo knorr durante um filme horrível. Vai ser o único aplauso do meu show bêbado de stand-up comedy num karaokê da Liberdade. Você vai ser um monte de coisas que os outros não serão. E amor é meio que isso, mesmo que já tenha passado, ele reserva um lugar pra pessoa na vida da gente que não tem mais volta.

Talvez a Anitta tivesse dizendo que amores fracos, daqueles que nem deixam marcas, não merecem o nosso tempo. Nesse caso, acho que nem foram amores. E, se não são amores, eu concordo com ela.

 

___


Escrito por Daniel Bovolento – Via Entre Todas as Coisas

Almas velhas, almas sensíveis

Artigo Anterior

Às vezes não querer ter filhos é um ato de altruísmo

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.