Antes de se relacionar com alguém, mergulhe em si e descubra o vasto oceano do seu ser!

Então, antes de se relacionar verdadeiramente com alguém, mergulhe em si e descubra o potencial do vasto oceano que habita seu ser.

E antes de encontrar alguém, que você possa se encontrar. Viver tão cheio de si que o outro será sempre uma grata surpresa. Sem expectativas de amor para suprir carências e faltas.

Uma relação amorosa não pode existir para tapar buracos, ela deve servir para algo mais grandioso, uma experiência de transcendência e expansão.

Para que isso ocorra, o respeito com o ser amado é ingrediente essencial para o envolvimento de ambos num círculo de amor.
Respeito é como o fermento de um bolo, sem ele não há chance de crescimento pessoal. Não há entrega absoluta nem segurança. Fica sempre a falta… Fica apenas o potencial do que poderia ser um delicioso bolo, do que poderia ser uma relação amorosa profunda, uma aventura na descoberta da consciência.

Então, antes de se relacionar verdadeiramente com alguém, mergulhe em si e descubra o potencial do vasto oceano que habita seu ser. Descubra-se antes de ser descoberto.

Você pode sim ser pego de surpresa, mas estar íntimo de si transforma a forma de se relacionar. Entenda o que existe em ti para ser mais compreendido quando estas questões forem expostas pelo outro.

O autoconhecimento traz mais compreensão das faltas, medos, anseios e carências. Encontre a criança ferida. Cure-se. Entenda os seus processos. Busque caminhos da regeneração dentro da verdade para não viver relações de mentira.
Não deveríamos depositar nossas faltas em outro ser humano, não fazer do outro uma escora, nem responsável pelas nossas falhas e frustrações. As relações existem como oportunidade de novos entendimentos e crescimento pessoal e espiritual. Autorresponsabilidade é palavra a se pôr em prática.

Entenda que as relações mais conflituosas são as que trazem mais ensinamento. Procure analisar. Se for difícil conviver, afaste-se, mas antes, tire uma boa lição. Feche o ciclo com entendimento.

E é para isso que servem as relações: para um maior entendimento de si, para que ambos possam se fortalecer e crescer diante das dificuldades e deficiências. Ninguém está iluminado, estamos todos caminhando para este fim. O aperfeiçoamento do ser depende das relações.

É o que ocorre naturalmente, um resgate de si no outro, e para isso é necessário um olhar de observação e menos julgamento. Olhos de amor e percepção apurada. Mente quieta e coração expandido. Nesse sentido, o ser amado acaba se tornando um mestre pois irá refletir exatamente as nossas deficiências, aquilo que não queremos olhar com profundidade.

Por isso, enquanto você não vive numa relação com alguém, busque se encontrar, explorar-se, namorar-se.

E mesmo quem já tem alguém, tire um tempo para se conhecer, firmar uma relação firme, forte e duradoura consigo mesmo para viver algo mais intenso e revelador com o ser amado.

No fim, toda relação deixa sua marca, deixa um presente. Pois, no fim mesmo, a verdadeira relação é da gente com a gente mesmo. Levaremos apenas o nosso aprendizado.

Nossa viagem é solitária, e nessa jornada sempre encontraremos pessoas para aperfeiçoar nossos seres. Seja grato sempre.
____________

Direitos autorais da imagem de capa: vadymvdrobot / 123RF Imagens



Deixe seu comentário