Anticorpos para combater a pandemia de covid-19: empatia real

Aquela “balela” de empatia, que a gente via a torto e a direito como termo da moda, agora começa a se manifestar no oculto, na consciência isolada de cada um.



De repente, os roteiros de filmes de ficção sobre vírus mortais que exterminam a humanidade começam a se encaixar na realidade. De repente, O Amor nos Tempos do Cólera, de Gabo, parece um promissor e assustador romance contemporâneo. Sunday Bloody Sunday, do U2, torna-se perfeitamente aplicável a todos os dias da semana. Escritores dramáticos se sentem mais dispostos a escrever como refúgio de sua realidade, dessa vez muito real.

Precisamos nos isolar e, pela primeira, vez experimentar a sensação de estar dentro de si é absurdamente incômoda. Para aqueles que já lidam com essa tormenta, é só mais uma fase.

Caos. Supermercados lotados, pessoas ensandecidas, com medo, repletas de incertezas, egoísmo. Álcool gel e a alma e mente totalmente impuras.


Será que vou ser contaminada e sobreviver? E se amigos, familiares forem contaminados, o que será? Será que, se eu tocar em algum desses corpos medrosos, serei infectada? Será que estou contaminada e não sei? E se o vírus do medo, da ausência de paz me infectar?

A economia vai entrar em colapso no mundo? Rir de memes em um momento como este é falta de respeito com a situação da humanidade?

E os planos que tive de interromper? E os medos sobre o presente, que tive de adiar e trocar por um temor idiota do futuro?

Será que a arte também quis adormecer um pouco para, quem sabe, despertar na eternidade?


Como lidar com os monstros que estavam adormecidos e resolveram assombrar com força as almas? Como aumentar a imunidade?

O que fazer para se distrair de si mesmo? Render-se aos instintos mais animalescos na tentativa de se anestesiar da grande loucura, que é ter a consciência de si?

O isolamento não é só físico, é interno, é para dentro de uma consciência única, que estava dormente em diversos pontos. De repente, acordamos para uma realidade igual no mundo, para olhar para as pessoas, desta vez, como pessoas como nós. Aquela “balela” de empatia, que a gente via a torto e a direito como termo da moda, agora começa a se manifestar no oculto, na consciência isolada de cada um. De repente, passo a me importar com quem nem conheço, com quem vejo nas raras vezes em que saio, com quem não pode se abster das ruas por uma realidade e contexto diferentes dos meus.

De repente… a palavra que mais surge e ressurge na mente. Jamais escreveria algo do tipo, se não tivesse em meio a uma realidade tão maluca. Que mundo louco!

O vidro com conteúdo fluorescente se estilhaçou no chão branco.

De repente, o latido de um cão de rua se torna um presságio.

O silêncio se faz necessário e é quase insuportável para muitos ouvidos e para a realidade de muitas almas.

Nada vai se resolver de uma hora para outra. A paciência é um exercício em grupo. Quando será encontrada a cura? Ninguém sabe, é preciso paciência, viver um dia de cada vez. Todas as pessoas precisam exortar umas às outras quanto a ter paciência. Os mais agitados, que gostam de estar no controle da situação e que querem tudo para ontem, precisam aprender a viver o hoje.

Aqueles que acham que para viver o presente precisam estar fora, por aí, no mundo físico, de repente, precisam aprender a viver o presente em si, repensar, enxergar o que antes fugia da vista, porque era corriqueiro.

Dentre as milhões de explicações e significados para o amor, está a vivência simples de enxergar o outro como a si, porque o “amar” seria sublime demais. De repente, entendo que o “perder a si mesmo”, conforme orientação bíblica, refere-se a desvestir-se de temor.

Quando será encontrada a cura? Por enquanto, aposto nos anticorpos gerados pela empatia, por meio do pensamento coletivo, do ato de repensar o egoísmo nosso de cada dia e pelo enfrentamento de pequenas mediocridades, que estavam bem escondidas em nosso exercício existencial.

Um vírus que apresenta consequências sobre a saúde, relacionamentos, economia, sobre as certezas e que nos faz retomar a consciência de que sempre estivemos doentes e conformados.

 

Direitos autorais da imagem de capa: Cristian Newman/Unsplash.

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.