Pessoas inspiradoras

Ao descobrir que idosos passavam fome, policiais se esforçam para comprar geladeira e alimentos

Os policiais receberam uma ligação para verificar como estava uma senhora, quando chegaram lá, perceberam que precisavam intervir para ajudar.



Muitas pessoas estão passando necessidades neste exato momento, e várias delas não vão compartilhar seu sofrimento com ninguém. A desigualdade social e, em muitos casos, a ausência de políticas públicas, tornam ainda mais vulneráveis os segmentos populacionais mais carentes.

Ao mesmo tempo, fazemos parte de uma sociedade em que a vitória, o sucesso e o triunfo são vendidos como modelos de vida ideais, colocando todos que estão fora dessa equação numa espécie de limbo do fracasso.

Quantas vezes você não ficou sabendo de um vizinho que perdeu o emprego e estava passando por “um momento de aperto”? Ou descobriu sobre um familiar que chegou a passar fome? Isso acontece com mais frequência do que imaginamos mas, em inúmeros momentos, essas famílias não pedem ajuda, já que isso as colocaria numa posição considerada “humilhante”.


No Texas, Estados Unidos, o Departamento de Polícia Seguin recebeu um chamado para averiguar a situação de uma idosa, e designou alguns policiais para checar a informação.

Em alguns países, é comum a existência dos “chamados de bem-estar”, ou seja, os policiais são enviados às residências para ver se tudo está bem com aquela família, se estão passando por alguma dificuldade ou se precisam de algo.

Dustin Kincade foi o oficial destinado para averiguar a situação naquela casa. Conversou um pouco com a mulher que morava ali. Segundo publicação no Facebook, ela contou que sua geladeira havia quebrado fazia algum tempo, mas que não tinha renda fixa, por isso não podia mandar consertá-la. O pouco dinheiro que tinha servia apenas para comprar comida, mas o oficial também reparou que ali não havia nenhum alimento.

Direitos autorais: reprodução Facebook/Seguin Police Department.


Voltando ao departamento, Dustin disse aos colegas que havia gostado muito de conversar com a senhora e que se sentiu tocado a ajudá-la. Os oficiais ouviram o relato e se sentiram impelidos a oferecer o que tinham àquela pessoa que tanto precisava.

O policial ficou surpreso com a repercussão do caso, e revela que achava que ainda levariam algum tempo para resolver a situação. Dustin conta que não foram apenas valores financeiros empenhados, cada uma daquelas pessoas doou esforço, gentileza e compaixão, e que o trabalho em equipe havia sido o diferencial.

Direitos autorais: reprodução Facebook/Seguin Police Department.

Segundo o oficial, eles ficaram sabendo de um problema e o Departamento de Polícia de Seguin foi capaz de corrigi-lo, mesmo que todos tenham usado o próprio dinheiro para isso. Além da mulher que morava naquela casa, havia também um senhor, e o casal não tinha mais condições de trabalhar, já que eram bem idosos.


Policiais e funcionários do departamento de polícia visitaram a mulher após alguns dias, mas dessa vez não levaram apenas companhia, entregaram também uma geladeira e bastante comida. O chefe de polícia de Seguin, Terry Nichols, explica que essa é a função que cumprem e que são “funcionários públicos de coração”.

Além disso, o chefe conta que sente muito orgulho da sua equipe, já que todos que souberam da situação decidiram ajudar imediatamente. Não apenas os funcionários juramentados se sentiram na obrigação de fazer alguma coisa, mas os civis também, o que mostra o tamanho do coração de todos que trabalham ali.

Direitos autorais: reprodução Facebook/Seguin Police Department.

Depois da entrega, o oficial Dustin afirmou que vai manter contato com aquela senhora, que não tem muitos amigos ou com quem conversar. Para ele, parte da sua função inclui apoiar as pessoas nas dificuldades, por isso planeja visitá-la pelo menos uma vez na semana, mas conta que isso não será nenhum trabalho, já que eles fizeram amizade instantaneamente.


Gata brinca com batina de padre, assiste missas há 1 ano e é a ‘fiel mais assídua’ de igreja

Artigo Anterior

Depois de 47 anos sofrendo maus-tratos, elefantinha cega dá os primeiros passos para a liberdade!

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.