Comportamento

Aos 54 anos e bem resolvida, Cláudia Raia fala sobre o peso da idade: “A sociedade te exclui”

A atriz comenta com objetividade sobre o processo de envelhecimento e como a comunidade encara isso, como se a mulher não pudesse mais ter sonhos e objetivos após os 50 anos.



O envelhecimento é um processo natural a que estamos todos submetidos, independentemente do quão comprometido o indivíduo esteja em fazer o corpo e a pele aparentar uma idade inferior.

Ao mesmo tempo em que temos plena consciência da chegada das linhas de expressão, dos cabelos embranquecendo e das rugas, as mulheres frequentemente sentem um peso maior quando o assunto é idade.

É como se, para elas, o tempo precisasse passar mais devagar, para que possam continuar em alta na sociedade e desejadas. A atriz Cláudia Raia, de 54 anos, em entrevista à Marie Claire, fez uma importante análise sobre esse processo e como pode ser doloroso, dependendo do gênero que se tem. Segundo a artista, quando a mulher faz 50 anos, passa a ser “excluída”, sem direito a mais nada.


A atriz comentou que, vivendo numa sociedade machista, as mulheres precisam sempre estar lindas, cheirosas, ser organizadas, ter filhos bem criados, jovens e com a pele viçosa, já que, no Brasil, 40 anos para uma mulher já é uma idade avançada demais.

Para os homens, é muito mais conveniente a companhia de uma mulher na casa dos 20 do que uma de 50 anos, já que as últimas são mais independentes, autônomas, fazem o querem da vida e dão muito mais trabalho.

A sociedade acredita que as mulheres de 40 e 50 anos deveriam “estar em casa fazendo tricô”, sem direito de existir, para que, aos 80, possam renascer como lindas e fofas avozinhas. Sem direito de casar novamente, de usar as roupas que desejam, de deixar o cabelo longo ou sequer de sair com outras pessoas, muitos não concordam com mulheres terem a liberdade do recomeço depois dos 40.

Direitos autorais: reprodução Instagram/@claudiaraia.


Direitos autorais: reprodução Instagram/@claudiaraia.

Cláudia conta que seu ginecologista costuma dizer que a atual mulher de 50 anos ainda não está escrita nos livros, que nem os médicos sabem lidar com ela. Mas, para a atriz, a potência máxima começa nessa idade, assim como, no teatro, a melhor parte costuma ser o segundo ato, quando as histórias começam a se resolver.

Para a atriz, o mercado de trabalho precisa ser capaz de abarcar as diferentes idades, deixando de ser retrógrado e apostando na mescla entre as pessoas com mais de 50 anos e os millenials, que nasceram na década de 1980 e têm ótima capacidade de relação interpessoal, enriquecendo ainda mais as empresas e o quadro de funcionários. Cláudia fica inconformada quando explica que existem alguns profissionais excepcionais que não encontram mais espaço no mercado apenas por conta da idade.

Direitos autorais: reprodução Instagram/@claudiaraia.


A atividade física e o cuidado com a saúde e o bem-estar sempre acompanharam a artista, que acredita que é mais um estilo de vida do que uma obsessão com a aparência. O cuidado com a pele, a musculação, dança, meditação, alimentação equilibrada e o sono são os principais pontos a serem observados se a pessoa quer ter uma boa trajetória.

Ainda revela que muitas pessoas acreditam que ela já nasceu com o biotipo atlético, mas que, na verdade, em sua família há obesos, diabéticos e outras doenças hereditárias, aumentando a importância do cuidado da atriz.

Mary Jackson, diarista conhecida pelo “Domingão do Faustão”, entra na faculdade aos 59 anos

Artigo Anterior

Viúvo de 82 anos, flagrado vendendo balas em dia frio, comove web e recebe remédios e alimentos!

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.