Aplicativos de paquera podem ajudar, mas não substituem o olho no olho

Cuidado para não “tinderizar” a vida e perder as borboletas no estômago! Aplicativos de paquera podem ajudar, mas não substituem o olho no olho.

Os aplicativos de relacionamento vieram para ficar. Numa realidade em que estamos cada vez mais conectados com o mundo através da tela do computador ou celular e menos antenados com o que acontece à nossa volta, chega a ser natural também apelar para a tecnologia na hora de se relacionar.



Este novo modelo ainda parece apresentar uma série de outras vantagens. A primeira delas, a economia do tempo, essa preciosidade que é mais valorizada a cada dia. Afinal, você pode ‘conhecer’ e falar com diversas pessoas ao mesmo tempo dos mais diferentes lugares, sem nem precisar sair de casa. Otimização maior que essa não há.

Tem a questão do descarte facilitado também: nada de ligações prolongadas ou conversas recheadas de choro, drama e desgaste emocional, afinal, já bastam todos os outros problemas.

Não quer mais? É só não responder mais às mensagens ou, em casos extremos, deletar ou bloquear o contatinho.

Ah! Outra grande vantagem são os filtros: dá para escolher por idade, cor de cabelo, olhos, altura, gostos, onde mora e até preferências alimentares e musicais. Incrível! Parece o cupido perfeito.


É, parece… e até pode mesmo vir a ser, em alguns casos, mas não é o que geralmente acontece.

Somos seres humanos, com sentimentos e emoções. Isso, até hoje, mesmo após muitas tentativas, máquina nenhuma conseguiu reproduzir.

E é justamente o sentimento que faz o relacionamento ser, de fato, verdadeiro. O sentimento não escolhe cor de pele, cabelo, profissão ou localização geográfica. Ele simplesmente acontece. O algoritmo do amor parece ser ainda mais complexo que o das redes sociais.

Por sua vez, o aplicativo de paquera é incapaz de reproduzir o brilho do olho da pessoa que aparece na foto, o cheiro, o jeito que fala e gesticula.


Quer uma companhia para uma noite? Ok, vá lá! Abra o cardápio e escolha sua preferência. Mas lembre-se de que, para sentir friozinho na barriga e ver passarinho verde, não dá para estar com os olhos vidrados na tela do celular.

É preciso olhar para os lados, ou melhor: no olho do outro. Ufa! Ainda somos humanos.


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: 123rf / alexmillos

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.