5min. de leitura

Após 7 meses em coma, bebê acorda e sorri para o pai

Imagine-se ter um filho de quase um ano de idade que entra em coma após uma parada cardíaca.


Agora, imagine-se essa criança ficar sete meses em coma por conta desse episódio. Certamente, essa é uma situação desesperadora para os pais, algo por que ninguém deseja passar.

Esse fato aconteceu com um casal de Bristol, na Inglaterra. Stuart e Emma Labuschagne são pais do menino Michael Labuschagne que, aos 11 meses, acordou sem fôlego e foi levado pelos pais ao Hospital Regional de Bristol, onde os médicos detectaram uma parada cardíaca.

A situação era séria e, com a aprovação dos pais, a equipe médica colocou o menino em coma induzido, para que suas chances de sobrevivência fossem maiores.


O menino sorriu para o pai

Depois de sete meses, Michael acordou, para surpresa da equipe e dos pais, e sua primeira atitude foi realmente emocionante: o menino sorriu para o pai.


Ao acordar e ver que Stuart estava perto, Michael deu um sorriso, talvez de alívio, talvez de alegria por saber que seus pais nunca saíram do seu lado. Foram feitos muitos exames para garantir que nenhum dano cerebral havia sido causado pela parada cardíaca, e os resultados foram animadores.

No entanto, o bebê ainda precisará passar mais um tempo no hospital, isso porque, durante o período do coma, os médicos diagnosticaram-no com fibroma cardíaco, um tumor dentro da câmara esquerda do coração. A doença é muito rara e nenhum médico na Inglaterra está habilitado a fazer a cirurgia para remoção do tumor.

Essa notícia causou grande preocupação nos pais de Michael e fez com que eles entrassem em contato com outras famílias que já passaram pela mesma situação.

Finalmente, encontraram um hospital infantil em Boston, Estados Unidos, que tinha histórico de sucesso em operações de fibroma cardíaco, e o contataram.

“Quando os médicos nos disseram sobre o diagnóstico de Michael, ficamos arrasados, sentimos que estávamos esperando que ele desaparecesse e, quando descobrimos sobre Boston, não acreditávamos realmente”, disse Emma Labuschagne, em entrevista ao portal Sky News.

A cirurgia é muito cara, 115 mil libras (cerca de R$ 592 mil), fora as passagens aéreas e a hospedagem da família, que também não são nada baratas. Sabendo que não tinham condições de conseguir essa quantia, o casal criou uma vaquinha online para ajudar com as contas, e se surpreendeu ao conseguir arrecadar muito mais do que precisava: 160 mil libras, o equivalente a R$ 824 mil.

“Não podemos acreditar, estamos surpresos, estamos muito agradecidos pela gentileza de todos e agora poderemos cobrir qualquer coisa extra para a cirurgia de Michael, como antibióticos ou oxigênio”, disse Emma.

A cirurgia de Michael já foi marcada e acontecerá possivelmente em abril de 2020, quando o coração dele já estará mais forte e preparado. Até essa data, ele poderá ficar em casa, usando desfibrilador e marcapasso.

O dinheiro que sobrar das doações será distribuído a outras crianças que também precisarem de ajuda.

Que notícia maravilhosa, imagine-se o alívio dos pais ao verem seu bebê acordar e poderem continuar zelando pela sua saúde por meio da ajuda de milhares de pessoas.

Muita saúde a Michael, esse pequeno guerreiro merece!

Compartilhe a história com seus amigos nas redes sociais!

 

*Com informações de O DIA/IstoÉ.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos. Direitos autorais das imagens utilizadas no texto: reprodução.





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.